Pular para o conteúdo principal

O AMBIENTE POLÍTICO DE ISRAEL, À ÉPOCA DE JESUS.



O AMBIENTE POLÍTICO DE ISRAEL, À ÉPOCA DE JESUS.
À época de Jesus, Israel encontrava-se sob o domínio romano, constituindo parte da chamada Província da Síria (Lucas 2.1,2). Havia dois tipos de províncias: as senatoriais e as imperiais. Estas, diferente das senatoriais, caracterizavam-se pela presença das famosas legiões romannas, pois eram territórios que ainda apresentavam certas resistências à dominação. Em Jerusalém, por exemplo, havia tropas do império instaladas na Fortaleza Antônia, instalação militar situada ao lado do Templo (Atos 21.30-36).

Tal situação era fonte de sofrimento para o povo, pois este tinha que pagar pesados impostos para os invasores.  Muitos, porém, acomodaram-se à dominação e dela tiravam proveito. Os saduceus, por exemplo, embora não a aprovassem, aceitaram-na com resignação, pois lhes era conveniente. Como os romanos lhes concediam o direito de cuidar da vida diária de Israel, eles constituíam a elite da nação e sobre ela exercia relativa autoridade. Ao fazerem isso, aliado ao fato de o sumo sacerdote ser designado por eles, os romanos criaram, entre os saduceus, um jogo político de apoio à Roma.

Era essa elite política que dominava o serviço do templo e imprimia, junto com os fariseus que também detinham uma interpretação equivocada das Escrituras, o senso da vida espiritual e todo o conceito de adoração a Deus. Jesus, contudo, condenou com veemência a religiosidade ensinada e imposta pelos saduceus e fariseus (Mateus 16.5-12), caracterizada pela aparência e legalismo. O esforço de seu ensino e pregação consistiu em desconstruir esse arcabouço religioso que afastava o homem de Deus.

O peso da presença romana em solo israelense aumentou o anseio pela vinda do Messias. Mas devido aos equívocos das autoridades religiosas, o povo alimentava a ideia de um messias político e nacionalista. Um líder, um rei que expulsaria os romanos de Israel e levaria a nação à uma condição relevante. Por isso, surgiram, à época de Jesus, em Israel, seis ou sete messias zelóticos que arregimentavam seguidores e depois se isolavam no deserto para campanhas armadas contra as forças de ocupação.  
  
De fato, há em Atos dos Apóstolos o registro de dois desses possíveis messias (5.33-41). Lucas também registrou que Barrabás, que foi solto por ocasião da crucificação de Cristo, havia sido preso por insurreição (possivelmente contra Roma) e assassinato (23.25). Foi nesse ambiente de agitação política que o verdadeiro Messias veio ao mundo, mas não foi notado pelos líderes religiosos. Cegos, em suas equivocadas interpretações, e preocupados em manter suas posições de prestígio, o mataram. Israel, depois da morte de Jesus, continuou com suas rebeliões contra o império romano até ser totalmente destruído e disperso pelo mundo no ano 70, depois de Cristo.
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS AO AUTOR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré