Pular para o conteúdo principal

NÃO SABEMOS ORAR


A oração, à época de Cristo, assumia uma posição relevante na piedade do povo judeu. Ela, porém, era concebida em um modelo religioso dominado por uma excessiva preocupação com a Lei. Eles ainda não conheciam a justificação pela fé em Cristo (Gálatas 2:16). De fato, “a Lei é santa”, como disse o Apóstolo Paulo (Romanos 7:12), e por isso devemos procurar vive-la. Mas esse mesmo autor bíblico afirmou que “o homem não é justificado pelas obras da Lei” (Gálatas 2.16). A Lei aponta para a condição de pecado do homem (Romanos7:7) e por isso, o ser humano não consegue cumpri-la (Romanos7:14-23). 

O resultado objetivo dessa concepção religiosa é uma vida de aparências, devido as dificuldades humanas em cumprir os mandamentos divinos. Essa postura de aparente piedade se refletia diretamente na oração. Havia muita hipocrisia no orar com a finalidade de mostrar aos outros falsa devoção, conforme o próprio Jesus apontou (Mateus 6.5). Fica notório, assim, que os judeus, à época de Cristo, não sabiam orar. 

De igual modo, hoje, a oração apresenta certos desvios e mostra que, como judeus da época de Cristo, não sabemos orar. Estamos distantes do modelo e do sentido da oração que Jesus ensinou. Assim como os judeus do primeiro século, temos uma visão errada de Deus. Vemos o SENHOR, mas de um modo desfocado em virtude da visão que temos de nós mesmos. Não há, porém, aquela preocupação de ostentar uma falsa espiritualidade. O problema atual é outro: tornamo-nos o centro da oração. 

A maioria de nós cristãos, devido ao estilo de vida da sociedade ocidental, vive uma vida voltada para a busca da realização pessoal. Por causa disso, tornamo-nos o centro de todas as coisas e levamos essa postura à vida espiritual. Assim, vamos à oração não para falar com Deus, mas para que nossas necessidades e nossos desejos, muitas vezes materialistas, sejam atendidos. É comum orarmos mais em busca de bens, de fama e de poder do que de outros motivos. Toda a nossa praxe devocional ocorre em torno de nossos objetivos porque nós, e não Deus, estamos em primeiro plano em nossa vida de oração. 

Essa atitude de nos colocarmos em primeira perspectiva nos desviou do significado da oração, ensinado por Jesus a seus discípulos. Vemos Deus como o Criador, mas nos enganamos ao pensar que ele está à nossa disposição para satisfazer aquilo que desejamos em nossa vida terrena. Nosso relacionamento com Ele se baseia mais no interesse do que no amor a sua pessoa. Isso ocorre porque vemos a oração como um mecanismo que pode tirar-nos de uma situação indesejada e levar-nos para outra de conforto. 

Na maioria das vezes, dirigimo-nos a Deus apenas para pedir; quase nunca para agradecer, exaltar ou adorar. Vamos à oração para pedir e não falar com Deus ou ficar um tempo em sua presença. Isso ocorre porque o foco da nossa atenção é nós mesmos e não Deus. A nossa vida espiritual está mais centrada em nós do que nele. Nossas orações, muitas vezes, brotam das nossas áreas de interesse e não do nosso amor a Deus ou do chamado a adorá-lo por causa da sua glória. 

(Texto redigido com base em nosso livro, publicado na amazon.com.br, Senhor, Ensina-nos a Orar - Um Ensaio Sobre a Centralidade de Deus na Oração).

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados

    




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré