Pular para o conteúdo principal

A CONSPIRAÇÃO PARA MATAR JESUS



A CONSPIRAÇÃO PARA MATAR JESUS
É impressionante como certos líderes religiosos são capazes dos atos mais cruéis com aqueles que lhes fazem oposição. Cheios de si e encantados com suas tradições perseguem e, às vezes, até destroem aqueles que os incomodam com suas vidas retas. Jesus teve que administrar essa questão desde o início de seu ministério público. Ele concentrou grande parte de sua atuação “na Galiléia, mantendo-se, deliberadamente, longe da Judéia, porque ali os judeus procuravam tirar-lhe a vida” (João 7.1). 

Segundo Marcos, depois que Jesus curou, em um sábado, um homem que tinha uma das mãos atrofiada, “os fariseus saíram e começaram a conspirar com os herodianos contra Jesus, sobre como poderiam matá-lo” (3.1-6). Não interessava a bondade, a graça e o poder de Deus manifestos no milagre; para eles o importante era guardar o sábado. Esses mesmos grupos aparecem, depois, tramando contra Jesus, em seus últimos dias (Marcos12.13). Ocorre, porém, que os fariseus eram inimigos ferrenhos dos herodianos, pois esses eram judeus seculares que apoiavam a família de Herodes que detinha o poder em Israel, sob a autorização de Roma.

Essas ideias de matar Jesus, contudo, não eram iniciativas isoladas de alguns judeus, que, por exemplo, tentaram apedrejá-lo (João8.59;10.31). O Apóstolo João registrou que após Jesus ressuscitar Lázaro houve uma reunião no Sinédrio, mais alta corte judaica, para tratar esse assunto. Alguém falou: “aí está esse homem realizando muitos sinais miraculosos. Se o deixarmos, todos crerão nele, e então os romanos virão e tirarão tanto o nosso lugar como a nossa nação ... e daquele dia em diante, resolveram tirar-lhe a vida.” (11.45-54). Não apenas a de Jesus, mas a de Lázaro também, tentando abafar o milagre (João12.9-11).

Os bons exegetas veem essa palavra “lugar” de João 11.48 como uma referência ao templo de Jerusalém. No entanto, não constitui equívoco inferir que havia na fala daquelas autoridades uma preocupação com suas próprias posições como líderes religiosos na sociedade judaica. Jesus atraía, com o seu ensino e seus milagres, multidões e eles temiam o esvaziamento da estrutura religiosa que comandavam. Em uma de suas tentativas de prender Jesus, mandaram a Ele os guardas do templo, mas esses retornaram sem o Galileu e disseram aos líderes: “ninguém jamais falou da maneira como esse homem fala” (João7.46). 

É do conhecimento comum que existem muitos líderes religiosos que não resistem às tentações da fama, do poder e da riqueza que suas posições podem lhes conferir. Segundo estudiosos, os adoradores do templo eram explorados pelos mercadores que cobravam altos preços pelos animais utilizados nos sacrifícios e pelos cambistas que praticavam taxas abusivas, tudo sob a aquiescência da aristocracia sacerdotal, que lucrava à custa dos peregrinos. Jesus, em um de seus últimos gestos de sua pregação, “entrou no templo e expulsou todos os que ali estavam comprando e vendendo” e os acusou de terem transformado aquela "casa de oração" em um “covil de ladrões”. Foi um forte golpe na moral de seus algozes, que definitivamente se consolidaram na ideia de matá-lo.
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS AO AUTOR
IMAGEM: JESUS EXPULSANDO OS VENDILHÕES de El GRECO (antes de 1570)     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré