Pular para o conteúdo principal

EM MEIO À PERSEGUIÇÃO - PARTE I



EM MEIO À PERSEGUIÇÃO - PARTE I
Nós, cristãos ocidentais, estamos preparados para viver em um ambiente hostil ao evangelho de Cristo? Hoje, vivemos, confortavelmente, em nossa sociedade erguida sob valores e princípios cristãos. Contudo, mesmo nesses dias, muitos seguidores de Jesus, que vivem em países não cristãos, sofrem restrições, perseguições e até morte por causa da fé no Senhor. Como viver em meio a tribulação? É possível tirar algumas lições da vivência de Jesus e seus apóstolos, que enfrentaram essa questão.

Pela experiência de nossos irmãos da igreja primitiva, não há espaço para aquela famosa frase: “por que estou passando por isso?”. Ao tomar a decisão de seguir a Cristo, é preciso que se saiba que isso pode envolver certo sofrimento. Sob tribulação, o Apóstolo Paulo e sua equipe, preocupado com os tessalonicenses, mandou Timóteo até eles para fortalecê-los e dar-lhes ânimo na fé, para que não fossem abalados. Ele disse:  “vocês sabem muito bem que fomos designados para isso” (1Ts3.3).  Designados para sofrer por causa do evangelho. 

Outra atitude para durar na perseguição é evitar o engajamento precoce com aqueles que perseguem os da fé. O Apóstolo João registrou, no capítulo sete de seu evangelho, que Jesus agia desse modo. Segundo ele, o Senhor mantinha-se “deliberadamente longe da Judéia, porque ali os judeus procuravam tirar-lhe a vida”. Por ocasião da festa das cabanas, seus irmãos o convidaram para ir à Jerusalém, mas Ele recusou o convite. “Contudo, depois que os seus irmãos subiram para a festa, ele também subiu, não abertamente, mas em segredo”.  

Não se trata de covardia, mas de inteligência. O importante é durar na ação de testemunhar enquanto Deus permitir. Depois que as autoridades do Sinédrio decidiram tirar a vida de Jesus, Ele “não andava mais publicamente entre os judeus. Ao invés disso, retirou-se para uma região próxima do deserto, para um povoado chamado Efraim, onde ficou com os seus discípulos” (Jo 11.54). Paulo também agia da mesma forma. Logo após sua conversão, começou a pregar que Jesus era o Cristo, na cidade de Damasco. Os judeus, que lá viviam, decidiram matá-lo. Mas os discípulos “o levaram de noite e o fizeram descer num cesto, através de uma abertura na muralha” e ele foi para Jerusalém (Atos9.25).

A igreja, hoje, pouco fala sobre o Apocalipse, mas fato é que haverá um tempo em que os que seguem a Cristo serão perseguidos com vigor. No entanto, a vitória já está garantida, como bem escreveu o Apóstolo João: “depois disso olhei, e diante de mim estava uma grande multidão que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé, diante do trono e do Cordeiro, com vestes brancas e segurando palmas ... Estes são os que vieram da grande tribulação e lavaram as suas vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro” (7.9,14).
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS AO AUTOR
PINTURA DE HENRYK SIEMIRADZKI, 1897 (VARSÓVIA)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré