Pular para o conteúdo principal

A IMPORTÂNCIA DE ORAR O PAI NOSSO



Observa-se na práxis cotidiana dos fiéis de certos círculos cristãos um verdadeiro desprezo pela oração dominical. Esse descaso se manifesta de dois modos: sua recitação mecânica e impensada, reduzindo o ato de orar a um fim em si mesmo; e seu abandono pelos líderes que não a ensinam mais, distanciando a Igreja de Cristo das origens do evangelho. 

Esses dois equívocos impedem os cristãos de viverem a experiência sublime da oração conforme o ensino de Jesus. O primeiro conduz o fiel a uma religiosidade morta, a uma prática devocional mecânica, impensada e sem a consciência do que faz. O segundo distancia o cristão do ensino de Cristo sobre como orar. Substitui esse ensino por interpretações erradas do evangelho que induzem o crente a pensar ser possuidor de superpoderes e autoridade a ponto de determinar coisas diante de Deus ou reivindicar, deste, bênçãos como se elas fossem direitos adquiridos, em Cristo, e Ele fosse obrigado a lhes conceder. 

Os cristãos precisam reavaliar essas duas posturas e retornar às origens do cristianismo. A sociedade científica e tecnológica imprimi, nas pessoas, uma mentalidade materialista e pragmática e isso se projeta sobre a espiritualidade, alterando o sentido da vida devocional. Como já dito, a repetição mecânica do “Pai nosso” pode levar à ideia da oração como um fim em si mesmo, conduzindo o cristão à uma alienação da realidade. Por outro lado, o abandono da prática de orar o “Pai nosso” e a adoção de entendimentos equivocados podem levar o crente a pensar a oração como magia[1], achando que pode manipular Deus por meio dela. 

A oração que Jesus ensinou a seus primeiros discípulos está no centro de sua catequese sobre o que e como falar com Deus. Sua leitura, atenta, revela que Cristo mostra que a nossa maior necessidade não é isso ou aquilo, mas Deus[2]. Nela, a alma humana invoca o Pai, pede que venha o seu Reino e a sua vontade sobre nós. Suplica o pão, o alimento material, mas que pode também ser entendido como o pão eucarístico, o próprio Cristo. Reconhece-se pecadora e implora o perdão sob a consciência de que precisa também perdoar. Pede também que a livre da tentação, pois seu maior desejo é agradar a Deus, assim como a livre do mal que deseja tragá-la. Observe que o “Pai nosso” mostra a verdadeira necessidade do homem: Deus. 

Está evidente, então, que a Oração do Senhor aborda os aspectos importantes da vida espiritual do cristão. Ela serve de modelo para o que devemos orar a Deus, em nossas orações espontâneas, mas isso não impede que a oremos literalmente. Orar é essencial à vida espiritual. Sem a oração, a vida cristã se resume a frequentar um templo e ouvir sermões. Mas isso constituiria, apenas, religiosidade morta. A oração, contudo, traz sentido ao templo, ao sermão e a toda expressão litúrgica. Ela nos aproxima de Deus, nos permite sentir a sua presença e a vivenciar experiências sublimes.

(Texto redigido com base em nosso livro (ebook) Senhor, Ensina-nos a Orar - Um Ensaio Sobre a Centralidade de Deus na Oração, pulicado na amazon.com.br)

[1] JEREMIAS, Joachim. Estudos no Novo Testamento. Editora Academia Cristã, São André - São Paulo, p.115.

[2] Senhor, Ensina-nos A Orar. Um Ensaio Sobre a Centralidade de Deus na Oração, Amazon, p.14.

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados






Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré