Pular para o conteúdo principal
O HOMEM COMO UM PRODUTO DO COSMO

No texto A CONDIÇÃO HUMANA, recentemente postado neste blog, ao refletir sobre o homem, enfatizei o seu aspecto de “ser criado” e, portanto, sujeito à vontade de seu Criador. No entanto, é opinião de muitos que o ser humano não vem de uma criação, mas de uma evolução da matéria, no tempo. Se assim for, o homem, como um ser originado da matéria inerte, isto é, não viva, que por meio de reações químicas espontâneas e aleatórias originou uma célula inicial da qual todos os seres vivos derivam, não deve satisfação a ninguém e, como um ser em mudança, é livre para construir a sua própria existência.

Tal posicionamento é respaldado na teoria sobre a origem do universo, o “Big Bang”. De acordo com essa pesquisa, há 13,9 bilhões de anos, toda matéria existente se encontrava concentrada em uma microscópica partícula inicial, que, em um dado momento, explodiu e a espalhou no espaço, formando o mundo que vemos hoje. Após a explosão, teve início um processo de expansão e esfriamento do universo. Por volta de quatro bilhões de anos atrás, as interações físicas e as reações químicas de transformação da matéria, que vinham ocorrendo, desencadearam os mecanismos de vida na Terra.

Com relação aos seres vivos, existe, em alinhamento com o “Big Bang”, a teoria da Síntese Evolutiva Moderna. De acordo com esse estudo, o fato de todos os organismos apresentarem semelhanças morfológicas, bioquímicas e genéticas sugere que todas as espécies conhecidas descendem de um ancestral comum. As espécies atuais seriam um estágio nesse processo de evolução, no qual se encontra o gênero humano. O homem, então, não seria semelhante a primatas, mas sim uma espécie de primata em evolução.

Se essas teorias estiverem corretas, o homem é mais um produto dessas transformações cósmicas. Contudo, sem paixões e em busca da verdade, os fatos precisam ser analisados como tais. O “Big Bang”, embora apresente uma proposta interessante sobre a origem do universo, explica, de modo satisfatório, apenas o comportamento atual do cosmo: sua expansão. Inúmeros cientistas reconhecem que essa teoria não fornece explicação para as condições iniciais do universo. Não existe, ainda, ciência suficiente para explicar a singularidade da micropartícula inicial, assim como o que existia antes dela, qual a sua origem e muito menos o que causou a sua explosão.

Com respeito a possibilidade da origem da vida a partir da matéria inerte, de uma célula inicial resultante de reações químicas espontâneas e aleatórias (abiogênese), a comunidade científica ainda não encontrou as provas. Só existe a hipótese. Alguém já disse que isso requereria um milagre tão grande quanto o que afirma o texto bíblico. É relevante ressaltar que a Ciência nunca observou a abiogênese acontecendo, na natureza, e ainda não foi capaz de criar uma forma de vida por meio de experimentos controlados.

No tocante ao fato de os seres vivos apresentarem semelhanças morfológicas, bioquímicas e genéticas, isso não implica, obrigatoriamente, que eles tenham vindo de um ancestral comum. Tal fato envolveria a evolução de uma espécie para outra, um processo puramente teórico e nunca observado diretamente. Seria, por exemplo, algo como um macaco evoluir para um ser humano. Essa hipótese é estudada, apenas, por meio da análise de fósseis e de pesquisas sobre semelhanças e diferenças morfológicas dos organismos, estudos esses incipientes, frágeis e com conclusões pouco precisas.

É preciso reconhecer que as pesquisas sobre a origem do universo e do homem produziram um acervo de conhecimento respeitável. Contudo, essas questões continuam sem respostas. Afirmar que o universo tem origem em uma explosão inicial sem comprovar as circunstâncias que a envolveram, assim como declarar o surgimento do homem a partir de um processo evolutivo sem provas seria um ato, puramente, religioso, um ato de pura fé e não uma declaração científica. A Ciência trabalha com a comprovação experimental. Desse modo, é razoável afirmar que tais proposições constituem apenas teorias e que a tese bíblica sobre a origem do universo e do homem continua inconteste.
LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO EM NOSSO LIVRO "O HOMEM EM BUSCA DE SI"  
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré