Pular para o conteúdo principal

JERUSALÉM – A CIDADE ETERNA

JERUSALÉM - A CIDADE ETERNA
Jerusalém, a capital de Israel desde os tempos davídicos, isto é, desde 3.000 anos atrás, é uma cidade enigmática que desperta fascínio sobre muitos. Sua origem se encontra em algum momento desconhecido da Antiguidade remota. Certos artefatos e cerâmicas encontrados em sua área atual, próximo ao monte do Templo, revelam, naquela área, a presença de assentamentos humanos em torno do quarto milênio antes de Cristo. Abraão, que, geralmente, é datado pelos estudiosos por volta do ano 2.000 a.C., segundo o relato de Gênesis 14, encontrou-se com “Melquizedeque, rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo”. Essa “Salém” é reconhecida por especialistas como a cidade de Jerusalém.

Por volta do ano 1.000 a.C., Davi a conquistou dos Jebuseus e a estabeleceu como capital de Israel e, assim, foi até 586 a.C, quando o império babilônico a destruiu. Foi reconstruída e, novamente, destruída no ano 70 pelos romanos. Estes a restauraram no ano 130 e passaram a chama-la de Élia Capitolina. A Cidade Santa permaneceu sob o domínio romano até 638, quando passou a ser dominada por seguidores do Islã. Em 1099 foi conquistada por cruzados cristãos, mas caiu novamente sob domínio islâmico em 1187. No ano de 1517 passou ao domínio turco otomano e em 1917 veio a ser administrada pelos ingleses. Em 1948, na guerra árabe-israelense, Israel conquistou sua independência e metade da cidade. Só em 1967, na Guerra dos Seis Dias, Israel alcançou o controle total sobre toda Jerusalém.

Por que Jerusalém não desapareceu, no tempo, como tantas outras? Por que o interesse de tantos por ela? Durante sua longa história, além de ter sido destruída pelo menos duas vezes, foi 23 vezes sitiada, 52 vezes capturada e 44 vezes recapturada[1]. Hoje, vive em clima de constante tensão, pois a parte oriental, onde moram seguidores do islã, continua sendo reivindicada como capital para um possível estado palestino. Outra fonte de conflito é a Mesquita de Omar, templo islâmico, que desconsiderando uma tradição religiosa milenar, foi construído no século VII, exatamente no lugar onde, segundo a tradição judaica, Abraão preparou o sacrifício de seu filho Isaque e Salomão, cerca de 1000 anos antes de Cristo, construiu o primeiro Templo a Yahweh.

Jerusalém não é a cidade santa por causa dela mesma, pois profetas como Isaías, Jeremias, Ezequiel e Miqueias falaram dela “como uma prostituta, afastada de Deus, culpada de idolatria e de desconsideração flagrante dos mandamentos de Deus”[2]. Palco de batalhas, de banhos de sangue e muito pecado, Jerusalém é a cidade santa porque foi nela que Deus resolveu revelar-se à humanidade. Foi nesse cenário, que bem caracteriza o homem caído, nesse torrão de terra que Ele andou, sem pecado, e, por meio de sua morte e ressurreição, abriu o caminho que possibilita o homem retornar para Deus e adentrar na Jerusalém celestial.

Jerusalém continua sendo um dos lugares mais desejados e disputados da face da terra. É possível que nela, ainda, muito sangue venha ser derramado. Mas ela tem esse caráter eterno por que ela é um símbolo da humanidade que reflete toda dor, toda angústia e toda arrogância humana. Contudo, foi nela que Deus extinguiu, pelo sacrifício de seu Filho Jesus Cristo, todo o mal sobre a Terra. Jerusalém é a solução de Deus para a humanidade. solução que vem do alto como bem disse o Apóstolo João: “então vi novos céus e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado... vi a Cidade Santa, a nova Jerusalém, que descia dos céus da parte de Deus... agora o tabernáculo de Deus está com os homens com os quais ele viverá. Eles serão os seus povos; o próprio Deus estará com eles e será o seu Deus (Apocalipse21.1-3). Será em Jerusalém que todo o drama humano terá o seu desfecho, o seu final feliz.
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

[1] WIKIPÉDIA. Artigo Jerusalém.
[2] ELWELL, Walter A. Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. Pg364.

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré