Pular para o conteúdo principal

AUTOMATISMO E DEVOÇÃO



Vivemos em mundo de muita ciência e tecnologia. Há máquinas por todos os lados. Muitas vezes atuamos como extensões delas e até falamos com elas. Tudo acontece em um ritmo acelerado e mecânico de tal modo que nossas ações diárias são rígidas e repetitivas. Acordamos todos os dias para fazer as mesmas coisas. Muitos de nós já se transformaram em máquinas humanas, vivendo no "modo automático", desempenhando as mesmas rotinas sem pensar. Como expressar a devoção a Deus em meio a esse contexto?

É preciso cuidado para não entrarmos nesse processo de coisificação do ser humano e levarmos esse modelo para a vida de devoção. Não é difícil perdermos a consciência de nós mesmos e nos tornarmos autômatos religiosos. Muitas pessoas, por exemplo, oram sem a consciência de que estão falando com Deus, o Criador? Quantos vão ao culto, cantam, ofertam, ouvem a homilia, mas, no íntimo, não cultuam verdadeiramente a Deus? Sem perceberem, suas expressões de adoração já se transformaram em rotinas mecânicas de uma religiosidade morta.

O chamado do Evangelho, contudo, é para uma espiritualidade pessoal e não apenas formal. Muitos de nós cristãos, porém, perderam a consciência da pessoalidade no relacionamento com Deus. Manifestam sua devoção apenas na expressão da forma, da liturgia e da solenidade. É claro que essa dimensão da espiritualidade tem o seu valor, mas se ela não é acompanhada de uma consciência interior que de que realizamos os atos litúrgicos porque amamos a Deus e ao próximo e temos um relacionamento íntimo com Ele, tudo será “como um sino que ressoa ou como o prato que retine” e sem valor (1Coríntios 131-3).

Jesus falou para Nicodemos, um membro do Sinédrio especialista nas Escrituras: “ninguém pode ver o Reino de Deus sem nascer de novo” (João3.3). Embora fosse reconhecido por sua religiosidade, Jesus o alertou sobre a necessidade de ele nascer para Deus, nascer do Espírito. Mas como isso ocorre? Paulo, escrevendo aos Romanos, disse: “se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo” (10.9). A atitude de fé no sacrifício de Cristo produz, em nosso íntimo, o milagre de nossa adoção como filhos de Deus. Na mesma carta, o Apóstolo diz: “vocês... receberam o Espírito que os adota como filhos, por meio do qual clamamos “Aba, Pai. O próprio Espírito testemunha ao nosso espírito que somos filhos de Deus” (8.15).  

A consciência de que somos filhos de Deus nos torna imunes a esse processo de coisificação do homem e permite que vivamos na dignidade de ser humano “para o louvor de sua glória” (Efésios1.6,12,14). Assim como Paulo, Jesus também ensinou esse sentimento que devemos ter de filiação em relação a Deus. Ele disse: “quando vocês orarem, digam: Pai...” (Lucas 11.2). Essa relação de intimidade com o Senhor é que nos livra da automação religiosa e nos permite expressar uma devoção viva e sincera a Deus, marcada pela a reflexão em sua Palavra, pela vida de oração profunda, pela busca por santidade, pela comunhão com os outros, pela adoração na comunidade de fé...
Antônio Maia - M. Div.
Direitos autorais reservados

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré