Pular para o conteúdo principal

NOSSA VIDA IMAGINÁRIA NO OUTRO


NOSSA VIDA IMAGINÁRIA NO OUTRO

Uns mais outros menos, todos vivemos uma vida imaginária diante dos outros. Construímos uma imagem positiva e agradável para mostrar ao mundo. Assim fazendo, não somos nós mesmos, não vivemos nós mesmos. Essa face social com a qual nos relacionamos com as pessoas constitui, apenas, uma construção nossa, pois não queremos revelar o nosso verdadeiro rosto. Em momentos de introspecção, olhamos para nós mesmo e tomamos consciência de nosso verdadeiro eu. Mas logo voltamos à imaginação. Por que isso acontece?

O pensador francês Blaise Pascal escreveu sobre essa disfunção humana: “não nos contentamos com a vida que temos em nós e em nosso próprio ser; queremos viver uma vida imaginária na imaginação dos outros e, para tanto, esforçamo-nos em fingir. Trabalhamos incessantemente para conservar e embelezar nosso ser imaginário, negligenciando o verdadeiro ... a grande marca do vazio de nosso próprio ser é não estar satisfeito com um sem o outro e trocar muitas vezes um pelo outro” [1].

É a profunda alteração que aconteceu no ser do homem por ocasião da Queda. Corpo, alma e espírito, que antes existiam integrados, agora se encontram desalinhados. Em geral, a alma, insatisfeita com o corpo, procura muda-lo por meio de dietas, exercícios e cirurgias. Deseja uma vida longa e intensa, mas o corpo não corresponde e progride em uma trajetória que culmina na morte. Desorientada, a alma humana faz uma leitura distorcida da realidade, pois não sabe quem é, de onde vem nem para onde vai. O espírito, por sua vez, separado de seu Criador, vive em angústia desejando reencontra-lo, pois essa separação gerou uma condição amorfa de existência. 

Enquanto Pascal falou de um “vazio” no homem, decorrente da Queda, Santo Agostinho comentou sobre um “abismo”. “Ó Verdade, luz do meu coração, não me falem as minhas trevas. Por elas me deixei escorregar e obscureci-me. Mas mesmo no fundo desse abismo, sim, desse abismo, amei-vos. Errei, mas recordei-me de Vós. Ouvi atrás de mim a vossa voz a exortar-me a que voltasse...” [2]. Há “trevas” e um “abismo” no interior do homem, mas há também a “lembrança” de Deus que nos atrai para Ele.

Essa é a condição humana. Perdemo-nos de nós mesmos, quando nos afastamos de Deus. Tornamo-nos um ser diferente do original por causa de nosso afastamento de Deus. A lembrança interior do que éramos e de Deus nos fazem rejeitar nossa condição atual. Só o retorno a Deus nos permite a experiência de sermos “transformado com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito” (2Coríntios 3.18). E, então, podemos ser nós mesmos, livres, com a “face descoberta”, diante dos outros, pois nos definimos em Deus. É como disse Santo Agostinho, em suas Confissões: “por isso para mim é bom prender-me a Deus porque, se não permanecer nele, também não poderei continuar em mim” [3]. (texto redigido com base em nosso livro O Homem em Busca de Si – Reflexões Sobre a Condição Humana na Parábola do Filho Pródigo)  
Antônio Maia – M. Div.
Direitos autorais reservados
[1] PASCAL, Blaise. Pensamentos. Ed Abba Press, São Paulo, 2002, p.86
[2] AGOSTINHO, Santo. Confissões. Ed Vozes, Petrópolis-RJ, 2011, p.297
[3] AGOSTINHO, Santo. Confissões. Ed Vozes, Petrópolis-RJ, 2011, p.154



(Nosso livros na amazon.com.br)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré