Pular para o conteúdo principal

O HOMEM VIVE A SUA MORTE

O Homem Vive Nas Relações 

A vida humana ocorre nas relações. Segundo James Houston, “Deus nos criou como seres relacionais. Fomos criados para os outros, destinados a amar, a receber amor e compartilhar o amor”. “Fomos criados para os outros”. O ser humano precisa do outro para se perceber no mundo. Jesus disse que o segundo maior mandamento é “ame o seu próximo como a si mesmo”. Há uma razão para isso: estamos, de certo modo, ligados uns aos outros e precisamos do outro para sermos nós mesmos.

O filme Náufrago, estrelado por Tom Hanks, ilustra essa verdade. Hanks faz o papel de um homem que sobrevive a um acidente de avião, que cai no mar, e acaba parando em uma ilha deserta. Para se manter lúcido e consciente, ele desenha os traços de uma face humana em uma bola de vôlei e estabelece um relacionamento com ela, como se fosse uma pessoa. Quando ele a perde em alto mar, em uma tentativa de salvar-se, chora copiosamente como se tivesse perdido um amigo.

As pessoas precisam umas das outras para se identificarem e se definirem como seres no mundo. A mãe se sente mãe na pessoa do filho; o professor, no aluno; o médico, no paciente. Os seres humanos se definem nos relacionamentos. Por isso, quando o homem se afastou do seu Criador, perdeu a percepção de sua identidade de filho de Deus. Agora ele vê a si e a Deus em uma nova perspectiva porque não vive mais a vida do Éden. Vive apenas a sua morte, o fim do seu eu original.


A Morte do Eu Original 

Após a inédita decisão de Adão, configurou-se o que Deus havia lhe advertido: a sua morte. Novas atitudes se incorporam à vida do primeiro homem. Passou a ter medo de Deus e afastar-se dele. Agora tem vergonha de si, sente-se culpado, mas se desculpa no outro (Gênesis 3.8-12). Aquele Adão morreu. 

O filho pródigo, de igual modo, morreu ao decidir por uma vida autônoma, rompendo as relações com o seu pai. Aquele jovem distinto e importante, que gozava do status de filho, tornou-se outro ser. Não se encontra apenas distante de casa, mas também de si, esbanjando suas posses até tornar-se um miserável, que deseja alimentar-se da comida dos porcos de que cuida.

A parábola do "filho pródigo" e Gênesis 3 mostram que a quebra de relacionamentos gera a morte. O filho mais novo e Adão romperam relacionamentos que os definiam como seres originais. Tais relações os ligavam às suas origens e os mantinham vivos, conforme concebidos.

Agora, eles estão desconectados daqueles que lhes deram a vida. Resta-lhes apenas viver a morte, pois a criatura, por seus esforços, não consegue religar-se àquele que o criou. Tal impossibilidade deriva da mudança que ocorreu em sua natureza pessoal. O novo ser é incompetente para retornar à condição anterior.

Quando os relacionamentos acabam, sobra quase nada para viver, pois o ser humano foi criado para a comunhão com o outro. Uma vez rompidos, vem a morte, visto que a vida acontece nas relações interpessoais. A felicidade surge quando as pessoas desfrutam do convívio com outras em relações fraternas, amorosas e amistosas. Após a Queda, porém, apareceram novos tipos de relações, tais como inveja, ciúme, competição que pouco contribuem para a vida de comunhão.

Por isso, observa-se que, quando, nas relações, um agride e ofende o outro, e essa atitude se consolida em uma nova postura de vida, ocorre, então, a morte do relacionamento. Ambos, de certo modo, morrem um para o outro e para si mesmos, uma vez que o homem precisa do outro para se definir como pessoa. Por essa razão, o ato de Adão, no Éden, lançou ele para distante de Deus e de si próprio.
Antônio Maia - M. Div
Direitos autorais reservados na Biblioteca Nacional-RJ
Este texto é um extrato de nosso livro O Homem em Busca de Si - Reflexões Sobre a Condição Humana na Parábola do Filho Pródigo. 
Ebook da amazon.com.br


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré