Pular para o conteúdo principal

EM BUSCA DA GLÓRIA

É notória a imensa quantidade de pessoas, na igreja, que dedicam tempo, dinheiro e habilidades em ações com o único interesse de promover a evangelização e a expansão do Reino de Deus na Terra. Contudo, salta aos olhos aquelas que, também fazendo isso, estão mesmo é em busca de fama, reconhecimento e poder. Estão engajadas no serviço cristão, mas no fundo buscam uma autoafirmação como pessoa e um meio de estar em evidência, em destaque, no seio da comunidade eclesiástica. É verdade que não são muitas, mas como buscam posições relevantes que influem na ação da Igreja, chama a atenção esse fato.

É claro que isso não é o caso de todos que estão em funções de visibilidade e liderança. O serviço cristão envolve, aos olhos humanos, desde as funções mais simples e humildes até as mais respeitosas, embora, para Deus, todas sejam igualmente importantes, pois tudo é para Ele, que não faz acepção de pessoas. Mesmo considerando os muitos exemplos de vidas sinceras e consagradas, no serviço cristão, convém refletir essa questão, pois todos estamos sujeitos a cometer tal erro. Os efeitos do pecado original são tão fortes, em nós, que podemos pecar até mesmo na prática das disciplinas espirituais e nas manifestações de nossa devoção a Deus. 

Jesus, por exemplo, recomendou aos discípulos para que não fossem como os hipócritas que costumavam orar “em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros” (Mateus6.5). Isso mostra que pecamos até mesmo na prática dos atos espirituais. Ele, o Senhor Jesus, nos advertiu sobre isso também em uma parábola que contou sobre um fariseu que orava a Deus demonstrando orgulho de sua espiritualidade “superior” a de um publicano. Jesus estava mostrando que podemos nos exaltar, mesmo, em uma oração (Lucas18.9-14). Precisamos refletir sobre os verdadeiros motivos de nossa ação no Reino de Deus. 

Até nossos líderes e mestres, que deveriam ser modelo no amor e na devoção, cometem esse erro. Marcos, por exemplo, registrou que os apóstolos Tiago e João chamaram Jesus em particular e pediram posições de destaque em seu Reino (10.35-44). Em outra oportunidade, o Senhor, se referindo aos líderes religiosos de Israel, disse: “tudo o que fazem é para serem vistos pelos homens” e continuou falando que toda a ação deles era em busca de honra e notoriedade. Nesse discurso, Jesus condenou, severamente, a autoexaltação dos líderes (Mateus23.1-12). 

Esse problema que havia tanto no judaísmo como entre os primeiros cristãos também existe hoje, na Igreja. O pecado adâmico é, no fundo, uma busca pela glória. A narrativa da Queda, isto é, do pecado original mostra que o homem queria ser “como Deus” (Gênesis3.5). O que o tentador ofereceu a Jesus, no deserto, a não ser fama, riqueza e poder? É disso que as pessoas correm atrás e o conceito de “sucesso” do mundo se alicerça nessas coisas. Esse conceito entrou na Igreja atual. Muitos entendem a relevância de sua ação, no Corpo de Cristo, com base nesses parâmetros. Não raro vemos pessoas se portando, na Igreja de Cristo, como celebridades. 

No entanto, Jesus rejeitou essa postura não apenas quando foi tentado no deserto, mas durante toda a sua atuação, marcada por ensinos originais e grandes milagres. Os evangelhos passam a ideia de que a nossa relevância está no esvaziamento de nós mesmo para que, em nós, Cristo seja revelado ao mundo. Essa ideia norteou a vida de João Batista. Ele disse, referindo-se a Jesus: “é necessário que Ele cresça e que eu diminua” (João3.30). Pedro, também, certa vez falou a Jesus: “nós deixamos tudo para seguir-te” (Mateus19.27). Se quisermos posições de destaque, precisamos ter em mente o que disse o Senhor: “o maior entre vocês deverá ser servo” (Mateus23.11). 

Se o nosso brilho em nada difere dos que brilham no mundo, somos como o sal que perdeu seu sabor (Mateus5.13). A glória do mundo está fundada na arrogância, na soberba e na vaidade, isto é, naquilo que é vão, vazio e sem essência. Jesus, porém, pediu a Deus uma glória diferente: “Pai, glorifica-me, junto a ti com a glória que eu tinha contigo antes que o mundo existisse” (João17.5). Assim, nos parece prudente buscarmos, antes, essa glória, que segundo o Apóstolo Paulo um dia “em nós há de ser revelada” (Romanos 8.18). Contudo, como Cristo, para alcançá-la precisamos trilhar o caminho da cruz. 

Antônio Maia - M.Div.

Direitos autorais reservados


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré