Pular para o conteúdo principal

A ADORAÇÃO NA EXPERIÊNCIA DE JÓ


Embora o livro de Jó trate da temática da justiça divina diante do sofrimento humano, esse texto da literatura sapiencial dos hebreus levanta uma questão da maior relevância sobre a adoração a Deus. Poderia o homem adorar a Deus sem esperar nenhuma recompensa?[1] Essa questão, no entanto, é melhor percebida quando o leitor compreende o drama do sofrimento de Jó.

De acordo com o texto, certo dia, Satanás pôs em dúvida a piedade de Jó diante de Deus. O anjo caído falou que Jó adorava a Deus porque ele era abençoado e nada lhe faltava. Então sugeriu: “estende a tua mão e fere tudo que ele tem, e com certeza ele te amaldiçoará na tua face”. O SENHOR deu permissão a Satanás que assim fosse feito e Jó perdeu toda a sua riqueza e filhos. Mas a reação de Jó foi: “O SENHOR deu, o SENHOR levou; louvado seja o nome do SENHOR... e não culpou Deus de coisa alguma” (1.6-22).

Novamente Satanás compareceu diante de Deus, que disse: “reparou meu servo Jó?... Ele se manteve íntegro...”. O anjo rebelde, que mantinha sua desconfiança em relação à sinceridade de Jó, disse: “estende a tua mão e fere a sua carne e os seus ossos, e com certeza ele te amaldiçoará na tua face” Disse, então, Deus: “pois bem, ele está nas tuas mãos; apenas poupe a vida dele”. Assim, Jó foi afligido “com feridas terríveis, da sola dos pés ao alto da cabeça”. Sua esposa, ao ver seu estado, disse: “amaldiçoe a Deus e morra! Ele respondeu: você fala como uma insensata. Aceitaremos o bem dado por Deus e não o mal? Em tudo isso Jó não pecou com seus lábios” (2.1-10).

A narrativa prossegue, do capítulo três ao trinta e sete, mostrando um diálogo de Jó com três amigos. Estes fazem ele sofrer mais ainda, pois alegam que está passando por tudo aquilo por causa de pecado. Disse um deles: “...quem cultiva o mal e semeia maldade, isso também colherá” (4.8). Jó, contudo, em toda a extensão do texto, posiciona-se como íntegro diante de Deus e não compreende por que está passando por tal provação. Depois de muito sofrimento e dor, Deus, vendo sua retidão e sua sincera devoção, fala com ele, cura-o e restaura “em dobro tudo o que tinha antes”.

Assim, esse texto da sagrada literatura de sabedoria dos judeus mostra que uma pessoa pode, sim, adorar ao Criador sem esperar nada em troca. Este é o cerne da verdadeira adoração a Deus: adorá-lo pelo que Ele é não pelo o que Ele pode fazer por nós. Nesse ponto, Satanás é, duplamente, derrotado: Deus é digno de adoração e o homem pode, sim, adorá-lo com sinceridade e sem intenções ocultas. Em Jó fica evidente a essência da adoração a Deus: o adoramos por amor e pelo o que Ele é.
Antônio Maia – M.Div.
Direitos autorais reservados

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré