Pular para o conteúdo principal

O NASCIMENTO DE JESUS



Todo dia 25 de dezembro os cristãos comemoram o Natal, isto é, o nascimento de Jesus, um carpinteiro de Nazaré, que, por causa de sua vida santa, seus milagres, seus ensinos e sua ressurreição, dentre os mortos, é reconhecido como o Filho de Deus. Os cristãos entendem esse evento como a entrada do próprio Deus na humanidade para salvá-la do jugo do pecado e da morte. Na narrativa de Lucas 2:1-10, três aspectos revelam a singularidade desse acontecimento: a constatação de uma realidade espiritual que perpassa o mundo da matéria; o nascimento propriamente dito; e o caráter discreto do anúncio desse evento.

Era para ser, apenas, mais uma noite de vigília, junto aos rebanhos, mas, repentinamente, os pastores se viram tomados por uma visão espiritual em que um ser não desse mundo, isto é, um anjo, apareceu a eles e lhes anunciou: “estou trazendo boas novas de grande alegria que são para todo o povo: hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lucas 2.11). Após a fala desse anjo, a realidade material é, miraculosamente, rasgada novamente e eles, os pastores, veem uma cena de um outro mundo em que “uma grande multidão do exército celestial apareceu com o anjo, louvando a Deus” por causa do nascimento do menino Jesus.

Embora a humanidade viva imersa em um mundo de matéria, as Escrituras sagradas falam, do início ao fim, de uma realidade não material, um mundo espiritual que interfere nesse mundo em que vivemos. O Apóstolo Paulo, por exemplo, falando de si mesmo, disse que conhece um homem que “foi arrebatado ao paraíso e ouviu coisas indizíveis, coisas que ao homem não é permitido falar” (2Coríntios 12.1-4), uma realidade de existência incompreensível à mente humana. O Apóstolo João, também, prisioneiro na ilha de Patmos, por causa do evangelho, no dia do Senhor foi arrebatado em espírito e teve uma visão da sala do trono de Deus e outros ambientes e cenários do mundo espiritual do Criador, conforme descrito em seu Apocalipse.

Já com respeito ao nascimento de Jesus, a narrativa lucana trata, na verdade, do momento em que o Criador se torna criatura para viver entre os homens e resgatá-los da prisão da morte por causa do pecado original que os afastou de Deus. Veja que Lucas 2.11 diz que quem nasce é Deus: “...hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor”. “Cristo” é a forma grega da palavra hebraica “Messias”, que significa “Ungido”. E esse Cristo, isto é, esse Messias é o “Senhor”. A palavra “Senhor” no grego em que foi escrito o evangelho é κύριος, que Gingrich e Danker (2005, p.123) afirmam que ela era usada, entre outros sentidos, para designar “Deus”, bem como Jesus, indicando sua divindade [1]. Kύριος aparece mais de 700 vezes, no Novo Testamento, em referência a Jesus.

No tocante à discreta forma do anúncio de tão importante acontecimento, salta aos olhos o fato de ele ter sido feito a humildes pastores. Era a chegada do tão esperado Messias, prometido e profetizado no Antigo Testamento. Os religiosos aguardavam com grande expectativa esse evento. Mas foi a simples pastores que Deus deu a notícia. Os pastores, na sociedade judaica daquela época, constituíam uma classe desprestigiada de pessoas. Eles eram, até, considerados pelos religiosos como impuros, pois não cumpriam certos ritos de purificação por causa de sua profissão e seu testemunho não tinha valor nos tribunais. Por que justo a essas pessoas foi anunciada a chegada do Filho de Deus?

Paulo explica um pouco da ação de Deus no mundo em sua primeira carta Aos Coríntios (1.18-31; 2). O Apóstolo diz: “Deus escolheu o que para o mundo é loucura para envergonhar os sábios, e escolheu o que para o mundo é fraqueza para envergonhar o que é forte. Ele escolheu o que para o mundo é insignificante, desprezado e o que nada é, para reduzir a nada o que é, a fim de que ninguém se vanglorie diante dele” (1Coríntios 1.27-29). Ele diz, ainda, que se os poderosos tivessem entendido o mistério de Cristo não o teriam crucificado, mas Deus o revelou aos pequenos por meio do Espírito (1Coríntios 2:8,10).

Os religiosos, com seus esquemas teológicos, não tomaram conhecimento da chegada do Messias. Jesus só foi reconhecido como Filho de Deus pelos humildes, pois a forma como Deus se revelou, em Cristo, fugiu à lógica humana. Jesus continua incompreendido para muitos. Os judeus pediam sinais miraculosos, os gregos pediam sabedoria, hoje, os homens pedem uma explicação racional, mas aprouve a Deus salvar alguns dentre a humanidade pela “loucura da pregação” (1Coríntios 1. 21,22). Cristo só pode ser compreendido por meio da fé. “Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam” (Hebreus 11:6).

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados

[1] GINGRICH, F. Wilbur e DANKER, Frederick W. Léxico do Novo Testamento: Grego - Português. São Paulo: Vida Nova, 2005.



https://www.amazon.com.br/HOMEM-EM-BUSCA-SI-REFLEXÕES-ebook/dp/B074WGD2VB/ref=sr_1_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&keywords=O+homem+em+busca+de+si&qid=1576876868&sr=8-1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré