Pular para o conteúdo principal

A DEVOÇÃO DO CORAÇÃO



Os capítulos cinco, seis e sete de Mateus constituem o chamado “sermão do monte”. Nesse discurso, Jesus apresenta uma nova visão sobre a vida espiritual, contrastante com a noção de espiritualidade legalista e formal que os religiosos, de sua época, ensinavam ao povo. Por serem muito focados no cumprimento da Lei e na prática do ritual religioso, o resultado de seus ensinos era, na maioria das vezes, o desenvolvimento de uma religiosidade morta e fingida diante de Deus e dos homens.

Jesus, então, fala, entre outras coisas, sobre o que chamamos de “a devoção do coração”. Ele diz: “tenham cuidado de não praticar as ‘obras de justiça’ diante dos outros para serem vistos por eles... quando você der esmola, não anuncie isso com trombetas, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas para serem honrados pelos outros... E quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam de ficar orando em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros... Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste... para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai que vê em secreto. E seu Pai, que vê em secreto, o recompensará (Mateus 6:1-18).

Observe que a devoção, isto é, o fervor espiritual, a piedade, a dedicação às coisas de Deus, que Jesus ensina contempla, entre outras disciplinas espirituais, a ajuda aos necessitados, a oração e o jejum. Há outras práticas espirituais, é claro. Mas tomando apenas esse trecho do “sermão do monte”, Jesus fala sobre a tentação da pessoa, ao praticar sua espiritualidade, fazê-lo apenas como meio de promover-se, de satisfazer o ego e buscar aprovação e admiração. Isso é falsa devoção, pois a verdadeira consiste em um movimento do nosso coração em direção, unicamente, a Deus.

Essa questão tratada por Jesus é relevante, pois fala sobre o sentido da verdadeira devoção a Deus. Precisamos olhar a nossa prática devocional e verificar se ela é, de fato, dirigida a Deus e não a nós mesmos. Se naquela época havia esse desvio da ostentação de falsa espiritualidade, hoje, observa-se um estilo de devoção que transforma os cristãos em consumidores de bens religiosos. Muitos se sentem cristãos porque participam de seminários e simpósios sobre temas religiosos, porque assistem a cultos, curtem músicas evangélicas e leem livros sobre temas bíblicos. Ao fazermos tais coisas estamos fazendo-as para Deus ou preenchendo nosso vazio?

A devoção voltada para Deus, isto é, “a devoção do coração” produz efeitos positivos e libertadores para o cristão. Mas muitas atividades religiosas não passam de entretenimento. Note que nesse trecho de Mateus Jesus fala de práticas devocionais de natureza espiritual (jejum e oração) e outra de cunho social (ajudar o necessitado). Isso mostra que a devoção a Deus envolve não apenas exercícios espirituais, mas também um olhar e um movimento de amor em direção ao outro.  

Esse aspecto da espiritualidade cristã é uma tônica no ensino de Jesus. Na Queda, isto é, no pecado original, o homem se separou não apenas de Deus, mas também do próximo, do semelhante. Agora, ele não vê o outro como irmão, mas como concorrente. Assim, busca controlar e usar o outro como propriedade sua. Isso constitui grave ofensa a Deus, pois o outro carrega consigo a “imagem e semelhança” de Deus. Por essa razão, ao ser perguntado sobre qual seria o maior mandamento, Ele respondeu que era “amar a Deus de todo o coração”, mas, imediatamente, fez questão de dizer que o segundo maior é “ame o seu próximo como a si mesmo” e que toda a Lei depende desses dois mandamentos (Mateus22:34-40). Precisamos analisar a nossa devoção a Deus.

Antônio Maia – M. Div

Direitos autorais reservados        


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré