Pular para o conteúdo principal

A MINHA HORA

 


De acordo com o Apóstolo João, Jesus, logo no início de seu ministério, fez um milagre que impactou a muitos: a transformação de água em vinho, em um casamento, na cidade de Caná. Nessa ocasião, em conversa com sua mãe, Ele falou uma frase surpreendente: “a minha hora ainda não chegou” (João 2:4). O que Jesus queria dizer com aquelas palavras? Fato é que este assunto, “a hora de Jesus”, aparece em diversas partes das narrativas dos evangelhos (Mateus 26:45; Marco 14:41; Lucas 22:53; João 2:4;7:6,30; 8:20;12:23,27;13:1;16:32;17:1). Qual o seu significado? Qual a sua relevância? 

Foi nesse contexto que o Apóstolo amado registou que os irmãos de Jesus, por ocasião da festa judaica das cabanas, sugeriram a Ele para ir para Jerusalém e se mostrar a todos, pois Ele não devia fazer seus milagres e pregações em segredo. Ele devia, antes, se mostrar ao mundo. Mas, segundo João, “Jesus lhes disse: para mim ainda não chegou o tempo certo; para vocês qualquer tempo é certo” (João 7: 3-6). De fato, os evangelhos mostram que Jesus atuava com discrição para não chamar a atenção dos religiosos e do povo, pois tinha uma agenda de ensinos a cumprir com seus discípulos. Jesus temia que esse processo fosse interrompido antes do tempo certo.  

Tal atitude pode ser notada, por exemplo, no episódio da cura de um leproso, após o sermão do monte. Após curá-lo, Jesus disse a ele: “Olhe, não conte isso a ninguém. Mas vá mostrar-se ao sacerdote e apresente a oferta que Moisés ordenou, para que sirva de testemunho” (Mateus 8: 1-4). Jesus fez o mesmo, várias outras vezes, com as pessoas que Ele curou (Mateus 9:30;1216; Marcos 1:44;5:43;7:36; Lucas 8:56). Ele “não queria que sua morte fosse precipitada, isto é, ocorresse antes de Ele terminar seu ministério” [1]. 

Sim. Ele tinha esse cuidado, pois logo no início de sua atuação, os religiosos judeus decidiram matá-lo. Por essa razão, Jesus desenvolveu seu ministério nas pequenas cidades, próximas do mar da Galileia e só ia a Jerusalém nas épocas das festas judaicas. Esse fato pode ser observado com o evangelista Marcos que narra o episódio em que Ele curou um homem que tinha uma mão atrofiada enquanto o ouvia em uma sinagoga. Como Ele fizera a cura em um sábado, “os fariseus saíram e começaram a conspirar com os herodianos contra Jesus, sobre como poderiam matá-lo” (3:1-6). 

Essa situação que Jesus vivenciava era muito delicada em vista do impacto de seus milagres em uma sociedade marcada pela dor e sofrimento. Aquele leproso, por exemplo, que foi curado por Jesus, em vez de ficar calado, conforme Marcos, “saiu e começou a tornar público o fato, espalhando a notícia. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente em nenhuma cidade, mas ficava fora, em lugares solitários. Todavia, assim mesmo vinham a ele gente de todas as partes” (1:45). 

Por essa razão, Jesus falou a sua mãe aquela frase: “a minha hora ainda não chegou”. A importância dessa frase de Jesus está no fato de ela revelar que Jesus tinha, durante todo o tempo, a consciência de que Ele era o Filho de Deus e que sua vida culminaria em sua morte em favor da humanidade. No fim de seu ministério, próximo de sua prisão, Ele orou a Deus: “Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho te glorifique. Pois lhe deste autoridade sobre toda a humanidade, para que conceda a vida eterna a todos os que lhe deste” (João17:1-2).

A hora de Jesus, sobre a qual falara a sua mãe, era a hora de sua morte. Após tomar a Ceia, pela última vez, com os discípulos, Jesus foi para o Getsêmani para orar. Ao fim de suas orações, ele se dirigiu aos discípulos, que estavam um pouco afastados e disse: “chegou a hora! Eis que o Filho do Homem está sendo entregue nas mãos dos pecadores” (Marcos 14:41). Quando os chefes dos sacerdotes, os oficiais da guarda do templo e outros líderes religiosos chegaram para prendê-lo, Ele disse: “...esta é a hora de vocês – quando as trevas reinam” (Lucas 22:52 e 53). No dia seguinte, às quinze horas da tarde, Jesus morreu (Marcos 15:33-41).

Antônio Maia – M.Div

Direitos autorais reservados

[1] NVI, Bíblia Comentada. São Paulo: Ed Vida. 2003, p. 1629




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré