Pular para o conteúdo principal

O MISTÉRIO ACERCA DOS GENTIOS

 


 

O Apóstolo Paulo, em sua carta aos Efésios, falou sobre um mistério que havia estado oculto, por séculos, desde os tempos do Antigo Testamento, mas que, agora, lhe foi “dado a conhecer por revelação” pelo Espírito. Que mistério era esse? O Apóstolo explica: “mediante o evangelho, os gentios são co-herdeiros com Israel, membros do mesmo corpo, e co-participantes da promessa em Cristo Jesus” (Efésios 3: 1-7). O que ele estava dizendo era que, por meio da fé em Cristo, os gentios podiam integrar a Igreja, isto é, “o Israel de Deus” (Gálatas 6:16) e serem chamados “povo de Deus”.

Para o cristão atual, o fato de os gentios, isto é, as pessoas de outras nações (não judias) terem direito à salvação provida por Deus, por meio de Jesus, não apresenta nenhuma dificuldade. Mas para o judeu daquela época isso era uma completa novidade, algo absurdo, inaceitável, uma heresia. Eles viam Yahweh como o Deus particular de Israel, a final foi a eles que Ele se revelou e entregou sua Lei. No pensamento deles, Yahweh se interessava apenas com Israel. Esse fato, isto é, que os gentios também podem ser “povo eleito”, e outros, contribuiu para que os cristãos fossem vistos pelos líderes e sacerdotes de Israel como apenas uma seita religiosa (Atos 24:5).

É preciso que se compreenda que a Igreja de Cristo, originariamente, era constituída só de judeus. Embora entendessem a salvação pela graça de Deus, por meio da fé em Cristo, muitos ainda estavam apegados às tradições judaicas. Isso pode ser observado, por exemplo, no fato de Pedro ter que explicar-se à Igreja de Jerusalém por sua conduta com o gentio Cornélio. Diz o texto: “Os apóstolos e os irmãos de toda a Judéia ouviram falar que os gentios também haviam recebido a palavra de Deus. Assim, quando Pedro subiu a Jerusalém, os que eram do partido dos circuncisos o criticavam dizendo: você entrou na casa de homens incircuncisos e comeu com eles” (Atos11:1-3). 

Esse sentimento de exclusividade na relação Deus-homem que os judeus nutriam sobre si decorria de uma percepção, equivocada, sobre Deus e seu Reino, que eles desenvolveram ao longo do tempo. Um fato que pode ter contribuído para isso foi a promessa divina a Davi, dada por meio do Profeta Natã, de que Deus estabeleceria o trono dravídico para sempre (1Crônicas 17:12-14). Por esse motivo, depois de séculos sob o domínio dos impérios babilônico, persa, grego e romano, eles alimentavam a esperança da vinda de um Messias nacionalista que restauraria a glória de Israel entre as nações. 

Mas não era isso que os profetas do Antigo Testamento anunciavam. Em seus escritos, observa-se um interesse divino por toda a humanidade. Em Gênesis, por exemplo, Deus fala a Abraão que, por meio dele, todos os povos da terra seriam abençoados (12:3). Deus falou isso porque, na descendência de Abraão nasceria Jesus, o Filho de Deus, que, por seu sacrifício, salvaria não só Israel, mas pessoas de todas as nações. Jesus mesmo, antes de subir aos céus, ordenou aos seus seguidores que fizessem discípulos de todas as nações e que fossem até aos confins da terra (Mateu28:16-20; Atos 1:8). Mas os judeus, inclusive os convertidos a Cristo, pensavam que Deus tinha um plano só com eles. 

O Apóstolo Paulo, contudo, em sua carta aos Romanos, mostra a universalidade do amor e do plano de Deus para com o homem caído. Ele escreveu: de Israel “é a adoção de filhos; dele é a glória divina, as alianças, a concessão da Lei, a adoração no templo e as promessas... e a partir deles se traça a linhagem humana de Cristo...” (9:4,5). Mas aprouve a Deus chamar os gentios, de modo que o Apóstolo afirma: “os gentios que não buscavam justiça, a obtiveram, uma justiça que vem pela fé; Mas Israel que buscava uma lei que trouxesse justiça, não alcançou. Por que não? Por que não a buscava pela fé, mas como se fosse por obras...” (9:30-32). Terminando a carta, Paulo escreve mais sobre esse mistério: “mas agora dado a conhecer... por ordem do Deus eterno, para que todas as nações venham a crer nele e a obedecer-lhe... (Romanos 16:26).

Assim, fica evidente que a Sagrada Escritura revela o amor de Deus não apenas pelos judeus, mas por todos os homens. Israel é, somente, um extrato da humanidade que Deus separou para revelar-se a ela. Sobre esse fato, Isaías diz: “que nenhum estrangeiro que se disponha a unir-se ao Senhor venha dizer: é certo que o Senhor me excluirá de seu povo... E os estrangeiros que se unirem ao SENHOR para servi-lo, para amarem o nome do SENHOR e prestar-lhe culto... e que se apegarem à minha aliança, esses eu trarei ao meu santo monte e lhes darei alegria em minha casa de oração. Seus holocaustos e demais sacrifícios serão aceitos em meu altar...” (56:3, 6,7). 

Por fim, convém destacar que a argumentação paulina sobre esse mistério acerca dos gentios é confirmada por outros autores bíblicos. O evangelista Lucas, por exemplo, atribui a Jesus as palavras do Profeta Natã. Ele diz, falando sobre Jesus: “o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi, e ele reinará para sempre sobre o povo de Jacó; Seu Reino jamais terá fim” (1:32,33). Esse mistério, revelado só na época de Jesus, ao Apóstolo Paulo pelo Espírito, mostra a vontade de Deus de reunir um povo, de todas as línguas e nações, para ser seu, “para o louvor de sua glória” (Efésios 1:9-12). E de fato, a Bíblia termina com a profecia do Apocalipse, na qual consta a reunião de “uma grande multidão que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas diante do trono e do Cordeiro”, no Reino eterno de Deus (Apocalipse 7:9,10).

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré