Pular para o conteúdo principal

O MISTÉRIO DE CRISTO II


O Apóstolo Paulo, escrevendo aos Efésios, falou: “ao lerem isso vocês poderão entender a minha compreensão do mistério de Cristo” (Efésios 3:4). A relevância dessa observação de Paulo reside no fato de que, naquela época, existia outro entendimento acerca do Cristo que havia de vir. O conceito que dominava o pensamento dos judeus em geral e dos religiosos era marcado pela noção de um Cristo político-nacionalista. Israel, fortemente secularizado durante o período do reinado, desenvolveu essa noção devido, entre outros motivos, à profecia de Natã a Davi (1Crônicas 17:12-14). Em face do julgo romano, à época de Jesus, era forte a expectativa da vinda desse Cristo. Certamente, por isso, os religiosos não identificaram Jesus, o carpinteiro de Nazaré, como o Messias e decidiram matá-lo. 

Essa palavra, “Cristo”, embora esteja profundamente associada ao nome Jesus, funcionando, praticamente, como um sobrenome, é, na verdade, um título. “Cristo” é a versão grega da palavra hebraica “Messias”, que significa “ungido”. Era empregada, no Antigo Testamento, associada aos profetas, sacerdotes e reis. Essa tradição da vinda de um Ungido para guiar o povo é antiga. Já em Moisés, ela está presente. Moisés disse que o SENHOR, levantaria um profeta como ele para os guiar e os orientar (Deuteronômio 18:15-19). Os estudiosos entendem essa palavra mosaica tanto como uma referência a linhagem de profetas que se sucederia, quanto como base para a expectativa messiânica que se cumpre plenamente em Jesus [1].  

Com respeito a essa concepção equivocada sobre o Messias, Pohl, citando Hengel (Zeloten, p.297-307), afirma, em seu comentário do evangelho de Marcos, que apareceram em Israel, naquelas décadas em volta da morte de Jesus, seis ou sete messias zelóticos. Consta que alguns deles se consideravam da descendência de Davi e, portanto, “rei dos judeus”. Em suas aparições, arregimentavam seguidores e, depois, isolavam-se no deserto para campanhas armadas contra as forças de ocupação romanas [2]. De fato, o evangelista Lucas deixou registrado que Gamaliel, ao aconselhar o Sinédrio sobre o que fazer com os Apóstolos que não paravam de pregar sobre Jesus, falou do aparecimento de Teudas e Judas, reivindicando ser o Cristo, mas que o fim deles foi a morte em confronto com as tropas romanas (Atos 5:33-39).

Muito embora os judeus esperassem um líder político-militar para os libertar do domínio romano, as Escrituras são claras ao mostrar que a ação do Messias não se restringiria a Israel. Sua missão teria implicações cósmicas, isto é, teria influência sobre os seres humanos e todo o universo, toda a existência. Com relação ao homem, o Messias prometido por Deus seria um líder espiritual que viria, ao mundo, para livrá-lo dos efeitos do pecado original e restaurá-lo à sua condição inicial de perfeição, o que permitiria o seu reencontro com o Criador (Romanos8:28-34). Com relação ao universo, no tempo certo, no dia do Senhor, toda a criação seria restaurada e conduzida a um estado de perfeição sem os efeitos do pecado (Romanos 8:19-22; 2Pedro3:12,13; Apocalipse 21 e 22). 

Essa ideia já se encontra presente, no Éden, no momento da Queda, isto é, do pecado original. De acordo com o autor de Gênesis, Deus disse à serpente, que induziu o homem a pecar: “porei inimizade entre você e a mulher, entre a sua descendência e o descendente dela; este lhe ferirá a cabeça, e você lhe ferirá o calcanhar” (3:15). Sobre essa declaração, os comentaristas da Bíblia Nova Versão Internacional dizem: “o antagonismo entre os seres humanos e as serpentes é usado para simbolizar o resultado da luta titânica entre Deus e o Maligno, guerra travada nos corações e na história dos seres humanos. A descendência da mulher acabaria esmagando a cabeça da serpente, promessa cumprida na vitória de Cristo sobre Satanás – da qual todos os crentes participarão (v. Romanos 16:20) [3].

Está claro que o messianato desse Cristo que viria, seria espiritual. O foco não era Israel, mas toda a humanidade que ficou presa à condição de decadência e morte eterna por causa do pecado original. Assim, quem vem não é um grande líder ungido, mas o próprio Deus, em forma humana, concebido no ventre de uma virgem pelo Espírito Santo, pois só Ele poderia resolver esse problema. Desse modo, os que aceitam o chamado de Cristo passam a viver na esperança de reencontrar com o seu Criador que se concretiza na visão joanina: “...vi novos céus e nova terra... agora o tabernáculo de Deus está com os homens, com os quais ele viverá. Eles serão os seus povos, o próprio Deus estará com eles... Ele enxugará de seus olhos toda lágrima, não haverá mais morte... Aquele que está assentado no trono disse: estou fazendo nova todas as coisas” (Apocalipse 21:1:5).  

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados

[1] BÍBLIA Nova Versão Internacional. São Paulo: Ed Vida. 2003, p. 293.

[2] POHL, Adolf. Evangelho de Marcos - Comentário Esperança. São Paulo: Ed      Evangélica Esperança, 1998, p.428

[3] BÍBLIA Nova Versão Internacional. São Paulo: Ed Vida. 2003, p. 11.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré