Pular para o conteúdo principal

A SEGUNDA VINDA DE CRISTO

 


 

Sim. De acordo com a Bíblia, Jesus Cristo, que veio ao mundo há dois mil anos, virá uma segunda vez. Ele mesmo falou sobre isso aos seus discípulos, na sua última semana de vida, em Jerusalém (João 14:1-3). Também, após a sua ascensão aos céus, dois anjos apareceram aos discípulos e disseram que Ele retornaria do mesmo modo que eles o viram subir (Atos 1:11). O que a Bíblia diz sobre esse retorno de Jesus ao mundo? Como ele acontecerá? Que sinais indicam que essa vinda se aproxima? Quando, exatamente, ela ocorrerá? E qual o seu propósito?  

Bem, de acordo com os evangelistas Mateus e Lucas, Jesus Cristo não virá como homem, como na primeira vez. Segundo esses autores, Ele voltará na glória e no esplendor de seu poder, com seus anjos nos ares (Mateus 24:30;25:31; Lucas 21:27). Sobre esse assunto, o Apóstolo João, em seu Apocalipse, faz uma breve descrição de Cristo em seu estado de glória, em seu Reino eterno (Apocalipse 1:12-16) e diz que “Ele vem com as nuvens, e todo o olho verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todos os povos da terra se lamentarão por causa dele” (Apocalipse 1:7). 

É claro que uma informação dessa causa muito interesse nas pessoas e não foi diferente entre os discípulos. Por isso eles perguntaram a Jesus: “dize-nos quando acontecerão essas coisas. E qual será o sinal da tua vinda e do fim dos tempos?” (Mateus 24:3). Jesus passa, então, a dar uma lista de sinais, a saber: falsos messias que fazem grandes maravilhas para enganar até aos eleitos, guerras, rumores de guerras, fomes, terremotos, pestes, intensa perseguição aos cristãos e uma grande tribulação, sem precedentes na história humana, que, “por causa dos eleitos”, foi abreviada (Mateus 24: 1-22; Lucas 21:5-18).

Esses sinais dão bons indícios da época da vinda de Jesus, mas quando, exatamente, Ele voltará? Essa informação ninguém tem. Segundo o próprio Jesus Cristo, “quanto ao dia e a hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão somente o Pai” (Mateus 24:36). Mas Ele dá a entender que será repentinamente quando ninguém esperar (Mateus 24:37-39). Contudo, o texto do sermão escatológico de Jesus passa uma ideia, aproximada, do momento dessa sua segunda vinda.

Veja, por exemplo, o que diz Mateus 24:29,30: “imediatamente após a tribulação daqueles dias, ‘o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz; e as estrelas cairão do céu, e os poderes celestes serão abalados’. Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e todas as nações da terra se lamentarão e verão o Filho do homem vindo nas nuvens do céu com poder e grande glória”. Note que Jesus diz que será “imediatamente após a tribulação daqueles dias”, decorrente das guerras, fomes, terremotos, pestes e perseguição à Igreja. Essa é a resposta que Jesus apresenta à pergunta dos discípulos: “dize-nos quando acontecerão essas coisas. E qual será o sinal da tua vinda e do fim dos tempos?” (Mateus 24:3).

Logo, no verso seguinte, verso 31, o texto revela o propósito dessa segunda vinda de Cristo. Observe o que nele consta: “e Ele enviará os seus anjos com grande som de trombeta, e estes reunirão os seus eleitos dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus”. Sim. É nesse momento que Jesus resgata a sua Igreja para estar com Ele para sempre. Nesse ponto, a “segunda vinda de Cristo” mostra que o cristianismo não é uma religião que traz apenas uma boa moral ao mundo, mas é, acima de tudo, um movimento de Deus em direção ao homem para resgatá-lo dessa existência, marcada pelo pecado, sofrimento e morte, que se estabeleceu após o pecado original.  

Mas, então, alguém pode perguntar: a Igreja passará pela grande tribulação? Sim. Esse é o testemunho das Escrituras. O próprio Senhor Jesus disse que a grande tribulação, “por causa dos eleitos”, foi abreviada. Lucas, também, falando no contexto dessa tribulação disse: “será para vocês uma oportunidade de dar testemunho” (21:13). A Igreja de Cristo, como sal da terra e luz do mundo (Mateus 5:13,14), estará em meio à grande tribulação daqueles dias dando testemunho de Cristo e de seu Reino eterno. 

Mas qual, então, a vantagem de ser cristão, visto que eles serão entregues à perseguição e ao sofrimento? De fato, serão dias difíceis e muitos honrarão a Deus com o martírio, mas Ele protegerá o seu povo. Sobre isso, nesse contexto de tribulação, Lucas diz: “contudo, nenhum fio de cabelo da cabeça de vocês se perderá” (21:18). A quinta trombeta do Apocalipse também trata desse tema. Ela fala de uma imensa nuvem de gafanhotos que receberam ordens para não causar danos à relva da terra, nem... mas apenas àqueles que não tinham o selo de Deus na testa” (9:1-11). 

Cabe lembrar que a palavra “testemunho” vem do verbo grego “martiréo”, que significa “dar testemunho”, “ser testemunha” [1]. Quanto a morrer, naqueles dias, todos os habitantes da terra passarão por essa experiência. A única coisa que poderão fazer é decidir de que lado vão morrer: do lado de Deus ou do outro. Pois, naqueles dias, as estruturas da Criação serão abaladas para que venham os “novos céus e nova terra”, isto é, uma nova Criação e uma nova humanidade (Apocalipse 21 e 22).

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados

GINGRICH, F. Wilbur; DANKER, Frederick W.. São Paulo: Ed Vida Nova. 2005, p.130  



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré