Pular para o conteúdo principal

MATERIALISMO E ATEÍSMO: REDUCIONISMOS

 


As correntes de pensamento materialismo e ateísmo têm algo em comum: ambas afirmam a inexistência de Deus. No materialismo, a única coisa que se pode afirmar que existe é a matéria. Logo, Deus, que é espírito, não existe. O ateísmo, de igual modo, também entende que não há Deus e que a humanidade não precisa dele para viver e ser feliz. É claro, que do ponto vista filosófico, tais abordagens não passam de reducionismos científicos. São análises da realidade que não consideram todas as variantes da questão e se estruturam sobre considerações que não podem provar.

O materialismo só enxerga matéria no mundo. Até mesmo o pensamento e os sentimentos humanos, para o materialismo, são apenas manifestações de estados singulares da matéria. Nesse contexto, a própria vida biológica vem da matéria inerte. O “eu” e a “consciência” do ser humano são apenas ideias antigas que precisam ser melhor descritas. Há um esforço dos materialistas em desconstruir essa linguagem para introduzir uma nova coerente com suas teorias.  Mas o materialismo não explica a origem da matéria e o que pôs em movimento sua dinâmica de transformações e movimento no mundo.  

Já o ateísmo entende que são possíveis uma moral e uma ética dissociadas da religião. Sim, é possível uma moral que vem da razão. Se for adotado, por exemplo, como valor supremo a vida humana é possível chegar a uma excelente moral sem considerar Deus. Isso, contudo, não constitui prova de que Deus não exista. Platão e Aristóteles, por exemplo, concluíram, pela razão, a necessidade de deus para explicar o mundo. Note, porém, que eles chegaram apenas à ideia de deus e não ao Deus verdadeiro e Criador, pois este conhecimento está além do pensamento humano. O conhecimento de Deus só e possível ao homem se lhe for revelado.  

Fato é que tanto o materialismo como o ateísmo se alimentam da ciência para seu desenvolvimento conceitual. No entanto, Karl Popper, considerado um dos maiores filósofos da ciência do século XX, fala que 

há excelentes razões para dizer que o que temos em ciência é descrever e (até onde possível) explicar a realidade. Fazemo-lo com a ajuda de teorias conjecturais; isto é, teorias que esperamos sejam verdadeiras (ou próximas da verdade), mas que não podemos firmar como certas [...]” (POPPER apud ZILLES, 2016, p. 209). 

O conhecimento científico não constitui o conhecimento absoluto, isto é, a verdade. A ciência de hoje não será a de amanhã. Por mais de mil anos a ciência aristotélica reinou indiscutível até começar a ser questionada no início da Idade Moderna. Veio uma nova física com Galileu Galilei, depois veio a física newtoniana, depois a de Einstein e agora a quântica. A verdade hoje não será a mesma amanhã. Por mais de mil anos a ciência afirmou que o Sol girava em torno da Terra até Copérnico, um religioso que acreditava em Deus, provar que não.

Assim, o conhecimento científico não constitui a verdade, mas apenas uma aproximação da verdade. Asse respeito, o importante filósofo da ciência Thomas S. Kuhn (2018, p.91) afirma

...raramente encontramos áreas nas quais uma teoria científica pode ser diretamente comparada com a natureza, especialmente se é expressa numa forma predominantemente matemática. Até agora não mais do que três dessas áreas são acessíveis à Teoria Geral da Relatividade de Einstein. Além disso, mesmo nas áreas onde a aplicação é possível, frequentemente requer-se aproximações teóricas e instrumentais que limitam severamente a concordância a ser esperada.

Embora o materialismo não enxergue Deus, mas apenas matéria, por questão de método, ele, simplesmente, não pode provar que não existe uma realidade espiritual no mundo físico. De igual modo, o ateísmo não pode provar que Deus não existe. Não é possível preparar uma lâmina da “substância de Deus” (AGOSTINHO, 2011, p.144) para ser analisada no microscópio. Mesmo assim, o materialismo e o ateísmo declaram que Deus não existe e constroem toda uma estrutura conceitual, considerando essa afirmação. Apenas afirmar, porém, não é suficiente. É preciso provar. Desse modo, o materialismo e o ateísmo não passam de discurso e os que o seguem, o fazem por um exercício de fé. 

Sim, é isso mesmo. A ausência de provas reduz o materialismo e o ateísmo a meras crenças. Mas, seus arcabouços conceitual e teorético são sofisticados e isso contribui para atrair muitos adeptos. No fundo, no entanto, tudo se reduz à fé que as coisas são como essas correntes de pensamento afirmam. É uma fé mais fácil de se aderir que a fé cristã, pois se fundamenta no que se vê. Já a fé cristã se alicerça no absurdo aos olhos humanos, no impossível à razão humana. Pois “a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós que estamos sendo salvos é o poder de Deus... Deus escolheu o que para o mundo é loucura para envergonhar os sábios... escolheu o que para o mundo é insignificante, desprezado e o que nada é para reduzir a nada o que é (1Coríntios 1:18,27,28). Eis a razão pela qual muitos preferem crer no materialismo e no ateísmo. É como disse o Apóstolo Paulo: a fé em Deus não é para todos (2Tessalonissenses 3:2).

Antônio Maia – Ph B. M.Div.

Direitos autorais reservados

AGOSTINHO, Santo. Confissões. Petrópoles - RJ: Ed Vozes, 2011.

KUHN, Thomas S. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Ed Perspectiva, 2018.

ZILLES, Urbano. Panorama das Filosofias do Século XX. São Paulo: Paulus, 2016.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré