Pular para o conteúdo principal

A GARANTIA DA SALVAÇÃO

 


O Apóstolo Paulo, escrevendo aos Coríntios, fala sobre a questão do corpo do homem, após a morte (2 Coríntios 5:1-5). Ele alerta quanto ao perigo do ser humano morrer e tornar-se, apenas, um espírito caído sem corpo. Mas, enfatiza que esse não é o caso do cristão. Pelo contrário, ele fala da alegria de saber que aquele que segue a Cristo, que já tem seu espírito ressuscitado no novo nascimento (João 3), também terá um corpo glorioso que possibilitará viver na presença de Deus, conforme João descreve em Apocalipse 21:1-5.  

Paulo conclui esse assunto, falando que o estado de felicidade que o cristão alcançará, após a morte, é a vontade de Deus para o homem, e que Ele mesmo colocou o seu Espírito como garantia para que isso aconteça. Veja o que o Apóstolo diz: “foi Deus que nos preparou para esse propósito, dando-nos o Espírito como garantia do que estar por vir” (2 Coríntios 2:5). Ou seja, quando o homem se entrega a Deus e aceita a Cristo como seu Senhor e Salvador, o próprio Espírito Santo vem morar nele para garantir sua caminhada até ao Pai, na glória.

De fato, Jesus em conversa com “Judas (não o Escariotes)”, declarou: “se alguém me ama, obedecerá à minha palavra. Meu Pai o amará, nós viremos a ele e faremos morada nele” (João 14:22,23). Isso significa que aquele que recebe a Cristo como Senhor se reconecta a Deus e passa a tê-lo, em seu ser, na pessoa do Espírito. Observe o que disse o Apóstolo Paulo aos Coríntios : “ora, é Deus que faz que nós e vocês permaneçamos firmes em Cristo. Ele nos ungiu, nos selou como sua propriedade e pôs o seu Espírito em nossos corações como garantia do que estar por vir” (2 Coríntios 1: 21 e 22).   

Falando, ainda, aos Romanos sobre as questões da “redenção do corpo” (Romanos 8:23) e da presença do Espírito no ser humano, o Apóstolo Paulo escreveu: “e, se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos habita em vocês, aquele que ressuscitou a Cristo dentre os mortos também dará vida a seus corpos mortais, por meio do seu Espírito, que habita em vocês” (Romanos 8:11). Note, então, que por meio do sacrifício de Jesus Cristo, o Filho de Deus, o ser humano é restaurado plenamente, corpo e espírito, dos efeitos destrutivos do pecado original e habilitado a viver novamente na presença de Deus, em seu Reino de luz.

E essas bênçãos, redenção do corpo e da alma, não podem ser retiradas do homem que se uniu a Cristo, pela fé, porque o próprio Espírito atua como garantia, como penhor dessa transformação interior, que Jesus chama de “novo nascimento” (João 3:1-8). Escrevendo aos Efésios, o Apóstolo aos Gentios diz: “quando vocês ouviram e creram na palavra da verdade, o evangelho que os salvou, vocês foram selados com o Espírito Santo da promessa, que é a garantia da nossa herança até a redenção daqueles que pertencem a Deus, para o louvor da sua glória” (Efésios 1:13,14).

Antônio Maia – Ph.B., M.Div.

Direitos autorais reservados 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré