Pular para o conteúdo principal

DEUS E O PENSAMENTO HUMANO

 


O que pode o homem dizer sobre Deus? Esta questão de cunho não apenas teológico, mas também filosófico, pode ser refletida a partir da descrição que o Apóstolo João fez do Criador, em sua obra Apocalipse. O Apóstolo escreveu: “imediatamente me vi tomado pelo Espírito e diante de mim estava um trono no céu e nele estava assentado alguém. Aquele que estava assentado era de aspecto semelhante a jaspe e sardônio” (Apocalipse 4:2,3).

Então a “substância” do ser de Deus é jaspe e sardônio? Obviamente que não. O próprio Apóstolo João afirmou, em seu evangelho, que Deus é Espírito (João 4:24). Porém, como ele não sabia como descrever Deus, então afirmou que Ele era semelhante a essas pedras preciosas. João o vê como um ser esverdeado e, ao mesmo tempo, avermelhado e transparente. Essa é a descrição que esse apóstolo fez de Deus com base na visão que ele teve na ilha de Patmos, por volta do ano 95, ano do Senhor Jesus Cristo (Apocalipse 1:9). O que se pode concluir dessa descrição joanina do ser divino?

Primeiro que o ser humano nada pode falar sobre Deus além do que Ele mesmo revelou ao homem. E Ele fez isso, isto é, revelou-se, de dois modos: uma revelação natural que está presente em sua criação, no mundo físico; e outra revelação, dita especial, que se deu por Ele mesmo aparecendo a homens como Abraão e Moisés (Gênesis 12:1-9; Êxodo 3), depois, por meio de profetas que Ele levantou entre os judeus e, por fim, pela sua entrada, no mundo, na Pessoa do Filho, que recebeu o nome de Jesus, o Cristo. 

Segundo, e esta conclusão decorre da primeira, que a sintaxe do pensamento humano recebe influência direta da “existência” e, por conseguinte, de Deus, visto que a “existência” na qual o ser humano vive foi estabelecida por Ele, o Criador. É por essa razão que João fala de Deus a partir de elementos de sua própria “existência”. Razão essa que infere que o Criador não é, exatamente, como o Apóstolo descreveu, embora sua descrição demonstre um pouco da glória e da majestade divina. 

Deus é mistério e está além da compreensão humana (Jó 36:26). Ele se revelou ao homem apenas na medida em que este pode compreendê-lo. Nesse contexto, Paulo fala de uma experiência espiritual que teve, na qual “foi arrebatado ao paraíso e ouviu coisas indizíveis, coisas que ao homem não é permitido falar” (2 Coríntios 12: 2-4). Ou seja, o homem não dispõe do conhecimento total de Deus e de seu Reino, mas apenas o suficiente para ele entender que essa “existência” terrena não é tudo que existe e está contaminada pelo mal.   

Essa relação entre “existência” e pensamento é tão forte que todo o pensamento humano transcorre nas esferas da criação divina. tudo o que o homem pensa tem influência do que ele vê e sente no mundo. Assim, pode-se afirmar que tudo o que o homem pensa tem origem profunda em Deus. Desse modo não há nada de original no pensamento humano. Mesmo o pensamento dos grandes filósofos gregos e de todos os que os sucederam  recebem influências das concepções divinas. Até mesmo o pensamento ateísta que afirma que “Deus não existe” encontra dependência  em Deus, pois tal afirmação só tem sentido na premissa de que “Deus existe”.

Assim, não há nenhuma área autônoma no pensamento humano, pois o homem só existe em Deus e por causa de Deus. Mesmo caído, mesmo separado de Deus por causa do pecado original, ele depende de Deus. A vida que ele vive não é dele. É concedida a ele pelo Criador. Sua postura anti Deus não decorre de um pensamento próprio e original, mas de uma mente criada por Deus que foi dominada por um espírito de rebelião, que se instalou nela, por ocasião do pecado original. Mesmo os que reconhecem a existência divina e o mundo espiritual o fazem a partir de concepções equivocadas e sua religiosidade se resume à idolatria. 

O homem sem Deus é idólatra. Cultua a criação, elementos da criação e ele mesmo. E, ainda há, outro aspecto a considerar: de acordo com o Apóstolo Paulo, “o deus desta era cegou o entendimento dos descrente para que não vejam a luz do evangelho de Cristo, que é a imagem de Deus” (2 Coríntios 4:4). Isto é, Satanás, o anjo caído, trabalha constantemente para afastar o homem de Deus. Por essas razões, o pensamento humano caído não alcança o plano de existência divino, seu Reino de glória e o próprio Deus.  

O Apóstolo Paulo, no entanto, afirma a possibilidade, em Cristo, de o homem caído ter sua mente transformada a ponto de alçar pensamentos não apenas do mundo físico ou da imaginação caída, mas também das “regiões celestiais” (Efésios 1:20;6:12) e do plano de “existência” divino. Isso é possível por meio do arrependimento, isto é, da postura do homem caído de reconhecer sua condição de pecado e entregar-se totalmente a Deus. Essa atitude constitui o que Jesus e os autores do Novo Testamento chamam de “metanóia”, isto é, “mudança de mente” [1]. O voltar-se para Deus, produz, no homem, uma nova mentalidade de vida, marcada por “uma mudança interior de mente, afeições, convicções e lealdades que se arraiga no temor de Deus… [2].

Essa renovação da mente, da qual fala o Apóstolo Paulo, promove um viver alinhado com a vontade divina, corrigindo o problema causado, no ser do homem, pelo pecado original (Romanos 12:2). Derivada da fé em Cristo, ela resgata a visão inicial do homem de antes do pecado original, trazendo a compreensão da “realidade caída” e o vislumbre do Reino de Deus. Mas essa nova visão do plano de existência espiritual não é plena, contudo, traz a esperança da glória futura. O próprio Apóstolo diz: “agora, pois, vemos apenas por um reflexo obscuro, como em espelho; mas então veremos face a face” (1 Coríntios 13:12). Por isso tudo o Apóstolo afirma que o cristão tem a “mente de Cristo” (1 Coríntios 2:16). Assim, ante ao mistério do mundo, o homem, em Cristo, tem a  possibilidade de entender o mistério de si mesmo.

Antônio Maia - Ph.B, MDiv

Direitos autorais reservados

GINGRICH, F. Wilbur e DANKER, Frederick W.. Léxico do Novo Testamento. São Paulo-SP, Ed Vida Nova, p.134, 2005.

KROMMINGA, C.G.. Enciclopédia Histórico Teológica da Fé Cristã. São Paulo-SP. Ed Vida Nova, p. 120, 2009.

Comentários

Rev. Dilécio disse…
Excelente! Deus o abençoe sempre, iluminando-o cada vez mais.

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré