Pular para o conteúdo principal

O FIM DA HISTÓRIA


Jesus Cristo, inúmeras vezes em seus discursos, fala de temas que são caros aos filósofos e sobre os quais esses estudiosos se debruçam, em reflexões, até aos dias atuais, em busca de sentido e compreensão. Cristo, no entanto, cita-os com a naturalidade de quem detém todo o entendimento e sobre os quais tem todo o poder. De acordo com a sagrada Escritura, Ele assim o faz porque é Deus (João 20:26-29; Romanos 9:5; Filipenses 2:5,6; Tito 2:11-13) e “nele estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento” (Colossenses 2:3).

Em uma de suas últimas conversas com seus discípulos, por exemplo, Ele os ordena a irem por todo o mundo pregando o evangelho e dá-lhes a garantia de que estaria com eles “até o fim dos tempos” (Mateus 28:16-20). Observa-se nessa declaração de Jesus, especificamente “fim dos tempos”, uma relação com a questão da História, estudada pelos filósofos na Filosofia da História. O que é a História? Qual o seu sentido? Para esses estudiosos entender o seu “telos”, isto é, o seu sentido constitui o cerne dessa problemática.

Discorrendo sobre esse assunto, em sua obra Cidade de Deus, Agostinho de Hipona (354 - 430) fala da posição dos filósofos gregos que admitiam a existência de “circuitos de tempos, em que na natureza se renovariam e repetiriam sempre as mesmas coisas e, assim, conforme afirmam, se formaria a textura íntima das evoluções dos séculos que vêm e passam” [1]. Ou seja, para os gregos antigos a História era cíclica, uma reedição de acontecimentos passados. Eles entendiam que “o mundo apresenta como novas as mesmas coisas, tanto as passadas como as futuras” [2].

Agostinho, porém, vai discordar dos gregos e traz um novo entendimento da História: ela não cíclica, mas linear com início, meio e fim. Com o pensamento fundamentado na Escritura cristã, ele entende que “Cristo morreu uma vez apenas por nossos pecados e, ressuscitado dentre os mortos, já não morre e a morte não terá domínio sobre ele. Depois da ressurreição estaremos eternamente com o Senhor” [3]. O que esse teólogo e filósofo cristão está afirmando é que o “telos” da História é Deus. Ela acontece na perspectiva de que a humanidade tem origem divina, mas se separou dele no pecado original e, agora caminha, no tempo, para um reencontro com seu Criador no juízo final (Apocalipse 20:11-15).

Esse entendimento agostiniano da História vai vigorar por quase mil anos, quando na Renascença, período da história europeia (sec. XIV - XVII) marcado por profundas transformações culturais, sociais, econômicas, políticas e religiosas, os pensadores retomam o interesse pelo estudo dos clássicos greco-romanos. Assim a História volta, novamente, a ser entendida como como cíclica. No século XVIII, contudo, o século do iluminismo, o entendimento linear da história retorna com força graças aos estudos dos influentes filósofos Kant e Hegel. Por causa de suas ênfases na razão, eles abandonam, por definitivo, Deus dessa reflexão e passam a defender a ideia de que o “telos” da História é o progresso da humanidade.  

Mas, no século XX, esse entendimento entra em crise. As duas grandes guerras mundiais e o estabelecimento de um mundo marcado por profundas desigualdades sociais, mesmo em meio a grandes avanços na ciência e na tecnologia vão levar os pensadores a um desencantamento com aquela proposta dos iluministas. As grandes narrativas para explicar o mundo passam a ser questionadas. Os estudiosos do século XX vão concluir que a História é ateleológica, isto é, sem sentido. Ela é apenas caos, acaso, aleatoriedade e ilogicidade.

Assim, entra em crise, novamente, o esforço milenar do homem para compreender o mistério de si e do mundo. E a humanidade permanece, até hoje, sem entender a razão de sua existência no universo. Separado de Deus por causa do pecado, o ser humano insiste em buscar esse entendimento sem considerar Deus nessa reflexão. No entanto, tirar Deus do suporte à existência a torna absolutamente incompreensível, pois nada no mundo é “causa sui”, isto é, é causa de si mesmo. Tudo existe e subsiste em Deus. Essa é a tese bíblica, de tal modo que o Apóstolo Paulo, escrevendo aos Colossenses, diz que, em Cristo, foram criadas todas as coisas e que “Ele é antes de todas as coisas, e nele tudo subsiste” (1:15,16). Desse modo pode-se afirmar que a inteligibilidade da existência se funda somente em Deus.

Portanto permanece inabalável o ensino de Jesus Cristo, Filho de Deus e Senhor da História. É a perspectiva do amor divino que dá sentido à História. Amor esse que fez o próprio Deus, na pessoa do Filho, entrar no tempo e abriu um caminho para a humanidade retornar a Ele (João 1:1-14; Filipenses 2:1-11). Esse caminho é Ele mesmo, o Filho, que é Deus. Por esse motivo o fim da História é Deus. E é só na História que o homem pode se reencontrar com Ele, pois naquele momento sobre o qual Jesus falou, isto é, no “fim dos tempos”, o caráter do encontro é de juízo, visto que do mesmo modo que existem muitos que reconhecem a existência e a soberania divina sobre o mundo criado, há também muitos que o rejeitam e negam seu Ser.

Antônio Maia - Ph.B, Me.Div

[1] AGOSTINHO, Santo. A Cidade de Deus. Kindle Amazon, posição 10090.

[2] AGOSTINHO, Santo. A Cidade de Deus. Kindle Amazon, posição 10090.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré