Pular para o conteúdo principal

O PRAZER NA LEI DO SENHOR



Aquela pessoa, seja homem ou mulher, que se reencontrou com Deus, por meio de Cristo no novo nascimento, tem prazer na Lei do Senhor. É como disse Davi: “tenho grande alegria em fazer a tua vontade, ó meu Deus; a tua lei está no fundo do meu coração” (Salmo 40:8).

Esse prazer é a tônica da relação do cristão com a Lei divina. Nada tem a ver com a religiosidade morta dos que, em um esforço de autossalvação, procuram cumpri-la, inutilmente, com suas próprias forças. O Apóstolo Paulo já falou sobre essa questão: “...sabemos que ninguém é justificado pela prática da Lei, mas mediante a fé em Jesus Cristo” (Gálatas 2:15).

Ninguém é justificado pela prática da Lei pelo simples motivo de que ninguém consegue cumpri-la integralmente. Após o pecado original (Gênesis 2:17 e Gênesis 3), o ser humano entrou em um estado de degradação de seu ser. Não apenas o seu corpo se corrompeu, passando a progredir em direção à morte e à desintegração na sepultura; mas também seu espírito se desligou de seu Criador, passando a viver sob uma motivação própria centrada não na Lei divina, mas em um código moral e ético pessoal.

Nessa nova condição, nesse estado de Queda, o ser humano, mesmo desejando fazer o bem, acaba praticando o mal. O homem caído tem uma inclinação para o mal. Por esse motivo, a ênfase da relação do cristão com a Lei divina não consiste no esforço por cumpri-la para ser salvo, mas vivê-la porque já é salvo. Ele faz isso, o quanto pode, busca a santidade, como uma resposta de amor àquele que o amou primeiro: Deus. Cristo já cumpriu toda a Lei pelo homem (Romanos 8:3; Mateus 5:17).

Nota-se, então, que esse prazer não é resultado, propriamente, de um empenho humano, mas é um efeito da ação do Espírito de Deus no ser do homem convertido a Cristo. O renascimento para Deus, operado pelo Espírito como resultado da fé em Cristo, religa a criatura humana caída ao seu Criador. Nesse processo, o homem tem um encontro, não apenas com Deus, mas também consigo mesmo. Ele se reencontra com seu “eu” original, pois, agora, entende que sua origem está em Deus, visto que “o próprio Espírito testemunha” ao seu espírito que ele é filho de Deus (Romanos 8:16).

Esse testemunho do Espírito junto ao seu espírito traz paz que vem, ao seu coração (Romanos 5:1). Ele, agora, entende que as motivações internas do homem, oriundas do código moral e ético desenvolvido, nele, após o pecado inicial lhes dão uma sensação de autonomia e liberdade, mas, ao mesmo tempo, lançam-no ao exílio da solidão no mundo. Eis a causa de sua angustia. Ele não entende a razão de sua existência bem como não sabe de onde vem nem para onde vai.

Assim, essa transformação ocorrida em seu interior, no novo nascimento (João3:1-8), faz esse novo homem, em Cristo, ver a Lei de Deus como algo aprazível, parte de sua essência original, perdida na Queda. A Lei de Deus é o estilo de vida do homem antes do pecado adâmico. Ela o faz um ser da criação divina e não de sua própria rebeldia. Ela, Lei divina, é a vontade de Deus para o homem. Por isso Davi diz: “tenho grande alegria em fazer a tua vontade” e, assim, Davi a põe na base de sua ação. Ele diz: “a tua Lei está no fundo do meu coração”.

Do exposto, observa-se a estreita relação entre a Lei de Deus e o ser do homem. Ela, na verdade, constitui o “modus vivendi” do ser humano antes da Queda. Assim posto, se uma pessoa se entende como cristã, mas não tem prazer nela, não a vê como o estilo de vida a seguir, mesmo sabendo que não conseguirá vivê-la em plenitude, mas que isso não implica na perda da salvação, é porque há algo de errado com sua relação com Deus. É possível que essa pessoa esteja vivendo o cristianismo apenas no nível da religiosidade morta. Ainda não se reencontrou com Deus e não passou pela experiência da transformação interior, operado pelo Espírito Santo, no "novo nascimento". 

O Profeta Jeremias, em um momento de grande pecado em Israel, quando o povo estava separado de Deus, revelou o segredo para o reencontro com Ele: “clame a mim e eu responderei e lhe direi coisas grandiosas e insondáveis que você não conhece... eu os purificarei de todo o pecado que cometeram contra mim e perdoarei todos os pecados de rebelião contra mim” (33:3,8). 

Antônio Maia – Ph.B., M. Div.

Direitos autorais reservados


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré