Pular para o conteúdo principal

ESPÍRITOS EM PRISÕES

 


De Gênesis a Apocalipse, isto é, em toda a extensão do texto bíblico, observa-se a existência de dois tipos de anjos. Uns bons, que andam com Deus; e outros que pecaram e se afastaram do Criador. Todos eles foram criados perfeitos, mas em um determinado momento de suas existências, uma parte dos anjos se rebelou contra o Criador. Não se sabe quando isso aconteceu. Porém, com certeza, pode-se afirmar que foi antes da Queda do homem, pois o pecado original de Adão e Eva teve influência do principal desses anjos caídos (Gênesis 3:1-7; Apocalipse 12:9). Atualmente, eles vivem, segundo o texto sagrado, em meio à humanidade caída, mas outros se encontram em prisões espirituais.

Essa questão da Queda dos seres criados à semelhança de Deus (anjos e homens) é uma das mais complexas para a Teologia. Por exemplo, como explicar a rebeldia desses anjos em relação a Deus, se eles foram criados perfeitos? Outra pergunta é: porque o Criador, simplesmente, não destruiu os anjos que se rebelaram, mas permite que eles vivam entre os seres humanos, igualmente, pecadores e outros em prisões espirituais? Não há, neste texto, por questão de extensão, como falar sobre a primeira pergunta. Assim, será refletido, ainda que brevemente, sobre apenas a segunda.

Primeiro, não há como os anjos que se rebelaram viverem, como antes, no Reino de glória de seu Criador. Eles foram expulsos de lá. A esse respeito, Jesus falando com seus discípulos, disse: “eu vi Satanás caindo do céu como um relâmpago” (Lucas 10:18). Isso não significa que o anjo caído foi expulso do céu na época de Jesus. O texto apenas afirma que o Senhor o viu caindo. O autor de Apocalipse também fala da queda de Satanás para a Terra. Segundo ele, houve uma guerra, nos céus, de Satanás e seus anjos com o anjo Miguel e seus anjos. O texto diz que eles “não foram suficientemente fortes, e assim perderam o seu lugar nos céus. O grande dragão foi lançado fora... Ele e os seus anjos foram lançados à terra” (Apocalipse 12: 7-9).

Assim, os anjos caídos passaram a viver em meio à humanidade pecadora, nessa região da Criação de Deus, onde só há seres que se rebelaram contra Ele. Deus permite isso porque há um fim proveitoso. A influência desses anjos que pecaram serve como mais um testemunho da existência da realidade espiritual. Sim, porque após o pecado original, o ser humano se desconectou do Reino espiritual de Deus e se ligou, de tal modo, ao mundo material que, hoje, muitos afirmam que só existe a matéria e que não existe Deus, anjos, e o mundo espiritual. Contudo, desde os primórdios da História, há em todas as culturas e sociedades humanas a consciência de que existe uma realidade espiritual não apenas por causa da revelação divina, mas pela percepção de que há, de fato, seres espirituais malignos que influenciam a vida humana.

Assim dito, observa-se, de acordo com a Bíblia, que o mal não é eterno; ele teve uma origem. Não há um poder maligno eterno, em par de igualdade com o divino, digladiando com Deus. O Criador reina soberano sobre sua Criação. Tanto o bem quanto o mal existem sob o seu controle e Ele os usa “conforme o conselho de sua vontade” (Efésios 1:11) para o estabelecimento de seus propósitos. Por isso Deus permite que anjos caídos circulem em meio aos homens, mas aqueles dotados de grande poder, Ele os mantém em prisões eternas para só entrarem em cena no tempo que lhe aprouver.

Um exemplo de que os anjos caídos influenciam a vida dos homens e, desse modo, dão testemunho de que nem tudo é só matéria, mas que também existe um mundo espiritual é o caso dos dois endemoniados da região dos gadarenos. O texto mostra, que era do conhecimento dos habitantes daquela área, que dois moradores de lá eram possuídos por muitos demônios e que Jesus os libertou. De igual modo, há inúmeros outros relatos de exorcismos públicos realizados por Jesus, evidenciando, assim, as realidades material e espiritual da Criação de Deus. Até mesmo os discípulos de Jesus falam da presença de demônios em meio ao povo. Depois de voltarem das cidades para as quais foram enviados, por Jesus, para pregar o evangelho, eles disseram: “Senhor, até os demônios se submetem a nós, em teu nome” (Lucas 10:17).

Contudo, assim como há uma multidão de anjos caídos em meio à humanidade, há também anjos em prisões espirituais. O autor do livro de Judas, provavelmente o irmão de Jesus, fala de anjos que não guardaram suas posições de autoridade e se afastaram de Deus, os quais Ele “os tem guardado em trevas, presos com correntes eternas para o juízo do grande dia” (v.6). O Apóstolo Pedro, igualmente, fala de “espíritos em prisão, que há muito tempo desobedeceram...” (3:19 e20).

Mas, como Deus reina soberano sobre todas as suas criaturas, até esses espíritos em prisões Ele os usa como seus servos. É o caso do anjo caído Abadom, que em meio aos eventos da Grande Tribulação, ele recebe de uma autoridade divina a chave do “Abismo” e o abre, saindo, dalí, uma imensa horda de gafanhotos, que tinham poder como de escorpiões, com a missão de ferir, por cinco meses, os habitantes da terra “que não tinham o selo de Deus na testa” (Apocalipse 9:4). Esses seres, designados como gafanhotos por causa da linguagem estilizada do Apocalipse, possivelmente são demônios, os quais, conforme o texto, eram governados pelo anjo caído Abadom, que literalmente significa "destruição" (Apocalipse 9:1,11) [1].

Do exposto, fica claro que Deus não destruiu os anjos caídos, mas permitiu que muitos ficassem em meio aos homens e outros em prisões espirituais por causa de seus propósitos e do “conselho de sua vontade” por meio da qual reina soberano sobre sua Criação. A sagrada Escritura mostra que, mesmo caídos, Deus os usa como servos conforme seus planos, mas eles já têm um destino definido. No “dia do Senhor”, no momento da restauração de “todas as coisas”, quando uma parte da humanidade for destinada a viver no Reino de Glória do Senhor e a outra, aquela que desprezou a Cristo e seus servos, destinada a viver, eternamente, com os anjos caídos, eles serão lançados no “lago de fogo”, termo este que designa uma vida sem sentido, sem essência original do ser criado e separado do Criador (Apocalipse 20). São nesses termos que as sagradas Escrituras terminam.  

Antônio Maia – Ph.B., M. Div.

Direitos autorais reservados

[1] BEASLEY-MURRAY, George R. Comentário Bíblico Vida Nova. São Paulo: Vida Nova, 2009, pg 2151


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré