Pular para o conteúdo principal

A VIDA SANTA

 


“Portanto, visto que Cristo padeceu por nós no seu corpo, armai-vos também vós deste mesmo pensamento, porque aquele que padeceu no corpo já rompeu com o pecado. Então, no tempo que vos resta no corpo não vivam mais segundo os desejos dos homens, mas segundo a vontade de Deus” (1Pedro4.1-2). Ao lermos este texto de Pedro, perguntamos se há em nós, no nosso íntimo, disposição para a vida santa.

Deveria haver, pois é isso que recomenda esse Apóstolo. Sabemos que já vivemos a devoção a Deus por meio da reflexão na Palavra, da oração, da comunhão com os irmãos, das celebrações cúlticas no templo. Tudo isso é muito bom, desejável e até prazeroso. Mas a busca pela vida santa, no íntimo, constitui outra área da vida espiritual, marcada pela renúncia ao pecado, o que envolve um certo esforço pessoal, sacrifício e até sofrimento. Fazer isso significa imitar a Cristo em sua renúncia ao pecado.

É fato que vivemos uma vida bem diferente da que vivíamos antes de conhecer a Cristo. Vivemos uma vida voltada para a santidade. Mas ainda habitamos em um corpo que clama pelo pecado. O próprio Apóstolo Paulo afirma que o pecado habita em nós (Romanos 7.21). No entanto, por causa do sacrifício de Cristo, somos alvos de sua graça de modo que o pecado não tem mais domínio sobre nós, isto é, já estamos salvos pela graça de Deus.

Por essa razão diz Paulo: “não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para obedecerdes aos seus desejos” (Romanos 6.12). Desse modo, renunciar o pecado tem, de nossa parte, um sentido de resposta de amor a Cristo pelo o que Ele fez por nós na cruz. Neste ponto, como já dito, essa é uma outra área da espiritualidade cristã. Mais íntima, mais profunda e pessoal, na qual o Espírito nos ajuda, mas que demanda, sim, certo esforço de nossa parte.

Sim, isso está de acordo com o ensino de Jesus. Veja o que Ele disse: “amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda as tuas forças” (Marcos 12.30). No entanto, é preciso que se entenda que sempre que procuramos parar de pecar por nossos esforços, aí é que pecamos, pois não temos força espiritual para vencer a velha natureza pecaminosa. Então, quando dizemos “esforço”, entenda-se como a disposição contínua para andar em santidade com a ajuda do Espírito e oração. Sim, falar com Deus nos aproxima dele e nos fortalece para vencer o pecado.

Todo cristão verdadeiro, aquele que experimentou o “novo nascimento” (João 3.1-8) e foi “gerado de novo” (1Pedro 1.3) tem uma inclinação e um desejo para a vida santa. Isso é fruto da metanóia, isto é, da nova mente, nova mentalidade adquirida no momento de sua entrega pessoal e definitiva a Deus. A atitude e o sentimento de arrependimento dos pecados passado dominam aquela experiência, de maneira que é natural para o cristão essa aspiração à santidade.

Mas o pecado, por vezes, vem à nossa vida diária por causa do mal, da cobiça, da natureza humana caída que ainda há em nós (Romanos 7.21). Por essa razão Tiago diz: “cada um, porém, é tentado por sua própria cobiça, quando essa o atrai e seduz” (Tiago 1.14). Paulo também, neste contexto, afirma: “a carne deseja o que é contrário ao Espírito” (Gálatas 5.17). Quando ele diz “carne”, entenda-se como a “natureza humana”.

Assim, o Apóstolo aos Gentios nos mostra o caminho do esforço que temos que fazer: “digo, porém, andai em Espírito e não satisfareis os desejos da carne” (Gálatas 5.16). Sim, viver segundo a orientação do Espírito nos faz vencedores sobre o pecado e praticar o que esse Apóstolo recomendou: “ele morreu por todos, para os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressurgiu” (2Coríntios5.15). É nisso que consiste a vida santa.

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados

Bíblia Almeida Edição Contemporânea


Comentários

Rev. Dilécio disse…
Excelente texto, amado irmão!
Reflexivo e desafiador. Tudo que nós cristãos necessitamos a cada dia para mantermos nossa convicção de santidade perante o Deus Santo.
Rev. Dilécio

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré